Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Em Questão

ACESSIBILIDADE: A A A A
Décio Bragança 11/09/2016
Décio Bragança
deciobraganca@yahoo.com.br
EM QUESTÃO

PA – PARTIDO DO AMOR - Em alguns momentos da vida política, fico pensando na importância de um partido político. Observo muitos eleitores dizerem: “Não voto em partido, voto em pessoas”. Sabemos que não é possível haver uma candidatura independente, desvinculada de algum partido. Para que partidos se eleitores insistem em votar em pessoas?

 

PB – PARTIDO DA BELEZA - Assim como num sindicato, um partido tem o dever de articular as forças políticas, propondo soluções de problemas sociais concretos e necessários. Nesse sentido, um partido é de leva em frente uma proposta, um planejamento, um suporte, um alicerce, uma base para os administradores da cidade, do estado, do país.

 

PC – PARTIDO CERTO - Não pode haver essa articulação sem os partidos. Pensando assim, o eleitor deveria votar num candidato a vereador que fosse do mesmo partido do candidato a prefeito. Isso me parece coerência. Um ambiente político é um locus de acordos, de conversas, de diálogos, sempre na busca eficaz do bem comum. Além disso, a política me parece inútil.

 

PD – PARTIDO DEMAIS - Por isso, política é troca de experiências e vivências, é partilha, é compartilhamento. Assim, a política é fim, é finalidade, é futuro. Não gosto muito dos candidatos que levantam números e estatísticas, porque estão pensando somente na economia. A economia é meio, é instrumento, é caminho, mas nunca a finalidade.

 

PE – PARTIDO ESPETACULAR - Trocando em miúdos: as pessoas devem correr à frente e os bens, as riquezas, a economia, a indústria, o lucro, o comércio atrás. Inverter essa lógica – fazer as pessoas correrem atrás do dinheiro – é manter as diferenças, as desigualdades, os privilégios. É ficar do lado dos fortes e poderosos. É não participar dos destinos de uma cidade, de um país. É aceitar as coisas como estão e ou são.

 

PF – PARTIDO FORTE - A escola tem de criar situações, encontrar formas e fórmulas, modos e maneiras de os alunos não se sentirem obrigados a ler. Ler tem de ser um ato prazeroso, além de todos os outros benefícios. Os livros têm de fazer parte da vida de todos e de cada estudante. Nesse sentido, os projetos e programas de leituras nas casas e nas escolas devem ser sempre ampliados, expandidos.

 

PG – PARTIDO GUERREIRO - Os professores em seus cursos de graduação devem criar maneiras para que a leitura seja parte essencial de todo processo educativo, de todas as disciplinas, sem muitas cobranças – o que não impede que sejam valorizadas ou valoradas. Algumas pistas que podem ser usadas em sala de aula: leitura individual, leitura coletiva, leitura dramatizada, interpretação teatral de personagens, contação de histórias, antologia escolar, declamação de poemas...

 

PH – PARTIDO HONESTO - Detalhando um pouco mais a Antologia Escolar – prática usada por mim durante mais de trinta anos. O professor com seus alunos devem providenciar um caderno, tipo ATA, com as folhas numeradas. A primeira folha, em branco e sem número, tem de ser a capa da antologia, nome do aluno ou colagem ou fotos do aluno, da mesma maneira como os livros são publicados. No final da página o ano.

 

PI – PARTIDO IMPORTANTE - Normalmente, a listagem dos alunos da classe, fornecida pela secretaria da escola, vem em ordem alfabética e com o número do aluno. Esse número corresponde ao número da página de todas as antologias de todos os alunos. Exemplificando: o aluno número 14 deverá escrever, nas páginas 14 de todas antologias de todos seus colegas, um poema, um texto próprio ou de um autor já consagrado ou de que gosta. Depois do texto, seu nome completo, uma dedicatória ao “dono” da antologia e, se quiser, endereço, telefone, celular, email.

 

PJ – PARTIDO JOVIAL - Imaginemos uma sala de aula com 30 alunos. No final de 30 semanas, cada aluno terá uma coletânea de textos – antologia – produzida por todos os alunos. A função do professor é coordenar essa atividade e, caso queira, também participar da atividade, usando a página seguinte do último aluno da listagem. A função do professor é estimular, provocar seus alunos para que escrevam 30 textos diferentes, um para cada colega. As antologias depois de prontas são levadas para casa, até como lembrança da turma.

 

PL – PARTIDO LEAL - Observemos a grandiosidade dessa atividade: 9 anos do Ensino Fundamental mais 3 anos de Ensino Médio são 12 antologias; 30 colegas por ano multiplicados por 12 anos, são 360 textos, 360 colegas, com seus nomes e endereços. Isso é história de vida. Os professores devem motivar seus alunos para que essas muitas antologias sejam guardadas com carinho.

 

PM – PARTIDO MODERNO - Os textos produzidos ou reproduzidos pelos alunos nos “cadernos dos outros” podem e devem ser lidos coletivamente, em voz alta preferencialmente. Quantos objetivos são alcançados somente com essa atividade! Vejamos: estímulo à leitura e à caligrafia; leitura de textos diversos; promoção da sociabilidade; produção coletiva; capricho e organização; arquivo dos gostos literários dos colegas que fazem a história de todos e de cada um.

 

PN - PARTIDO NORTEADOR - O professor deve ficar atento para a reprodução de textos: indicação do autor; nome do livro; editora, página – referência bibliográfica. Que se gaste um ou dois dias da semana letiva para tamanho proveito!

 

PO – PARTIDO ÓTIMO - Ler, ouvir, falar e escrever são habilidades do estudo e aprendizado da Língua Portuguesa, da mesma maneira que somar, multiplicar, dividir e subtrair são habilidades do estudo e aprendizado da Matemática. O Ensino Fundamental – por isso chamado fundamental – tem a obrigação e dever, função e missão de trabalhar essas oito habilidades essenciais para todos os futuros aprendizados. Daí a Língua Portuguesa e Matemática serem chamadas de disciplinas instrumentais.

 

PP- PARTIDO PRONTO - Os pais têm o dever de também ajudar a escola na aquisição dessas habilidades. Os pais têm de ler para os filhos e vice-versa. Têm de mandar os filhos pagarem contas em lotéricas e receberem o troco. Com criatividade e responsabilidade os filhos têm de participar de tudo o que acontece nas famílias. É importante a Educação Financeira, a Educação para o Lar, a Educação do Cuidado, a Educação Religiosa, a Educação para o Amor, a Educação para a Cidadania... Todas essas educações têm de ter o início nas famílias.

 

PQ – PARTIDO QUESTIONADOR - Nossos alunos não podem se sentir obrigados a ler, a escrever, a somar, a multiplicar, porque só as aprende com prazer e alegria, entusiasmo e propósitos. Tudo tem de ser construído. Escola [é complementação e aprofundamento, por isso sedução. Aliás, a sedução é a maior característica de um bom professor. Não por acaso a gente diz que foi seduzido pela música, pela poesia, pela pintura, pelo cinema, pela ciência, pela tecnologia...