Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Fabiano Fideles

ACESSIBILIDADE: A A A A
Fabiano Fideles 10/04/2016
Fabiano Fideles
jjura2@terra.com.br
Fabiano Fidelis

CONJUNTIVAS

Semana será de tempo firme e seco, segundo o Climatempo. Uma mini-epidemia de conjuntivite ronda os olhos dos uberabenses. Precavenha-se!

 

MAIS CAROS

Após um reajuste de 11,3% dois meses atrás, os medicamentos voltam a ter seus preços majorados por autorização governamental. À medida que os estoques forem sendo renovados, o novo aumento será de 12,4%. Difícil é ter fiscais suficientes para saber o que é estoque antigo e estoque novo...

 

ANTECIPA

Diante do quadro gravíssimo da gripe H1N1, o Ministério da Saúde deverá antecipar a liberação das vacinas. Apenas alguns reajustes de logística faltam para a medida sair. Enquanto isso, na fila dos “remediados”, as clínicas particulares enchem a burra com vendas da vacina. Em Uberaba, a média é R$ 120,00 por dose.

 

RODOU

Se as autoridades brasileiras corassem por algum motivo, certamente, ficariam vermelhas com a nota da Organização Mundial da Saúde, dizendo que a infestação do mosquito Aedes está fora de controle. Estamos à deriva...

 

MATANDO

Enquanto isso, os vírus conhecidos que um mesmo mosquito transmite seguem matando em todos os Estados brasileiros, ou provocando sequelas graves, como a microcefalia em recém-nascidos. Belo Horizonte anunciou dois novos óbitos (H1N1) na sexta-feira passada. Agora, são 17 na Capital. Na vizinha Frutal, onde registrou-se 6 óbitos, ontem, anunciava-se 8.

 

EU HEIN?

Barbarizante a delação premiada da empreiteira Andrade Gutierrez. Se um quinto do que foi denunciado for comprovado, o governo do PT não apenas cairá, como irá em cana na sua quase totalidade...

 

QUEM NÃO QUER?

Por falar em Andrade Gutierrez, a empresa firmou “acordo de leniência” com a Justiça. Vai pagar R$ 1 bilhão de multa e jura ser comportadinha daqui para frente. Seria muito bom criarem uma espécie deste acordo para pessoas físicas...

 

SURPRESA!

Desta vez, as previsões não se confirmaram. Pouquíssimos brasileiros esperavam alguma coisa que prestasse advinda do ministro Dias Toffoli , do STF. Nomeado como “pau mandado” de Lula e Dilma, ele tem tomado posições de muita independência. Neste final de semana, surpreendeu a todos ao se pronunciar vigorosamente em favor de uma ampla reforma na política partidária brasileira.

 

SEM CAIXA

Confirmando as previsões desta coluna, o prefeito Paulo Piau informou que, neste ano, não será concedido aumento salarial aos servidores públicos municipais. Somente nos meses de janeiro e fevereiro últimos, a queda na arrecadação municipal foi de R$ 21 milhões. A tendência é piorar, caso a crise política se alongue.

 

PAGANDO

É sempre assim. Quando há briga nos camarotes, quem paga o pato é a arquibancada... O lamaçal da corrupção, somado ao impasse da governança do país, está prejudicando quem trabalha, quem depende do próprio suor (e não de mamatas ou mandatos) para sobreviver.

 

IMAGINE!

A paralisação da governança no país conseguiu o impensável: prefeitos da região, de todos os partidos, de todos os matizes, jacaré, cobra d’água, cotia e paca, se juntaram num grande protesto na sexta-feira! Se, para eles, a vida está dura, imagine para os seus cidadãos.

 

NON SENSE

Existem situações em Uberaba que são absolutamente estranhas. Totalmente “non sense”! A lambança que é o terminal rodoviário local (banheiros em primeiro lugar) levou um vereador a pedir o fim da concessão da empresa contratada para zelar pelo local. E a pergunta que gira é: custa muito ter capricho no que faz????

 

NON SENSE II

A mesma situação e mesmos resultados podem ser apontados em vários outros locais da cidade. O relógio da praça Jorge Frange (uma homenagem à podridão) está em petição de miséria há anos. A operação tapa-buracos, anunciada com gala e pompa, jamais chega ao centro da cidade (vide rua São Benedito), exatamente onde é maior o trânsito!

 

PROFILÁTICO

Aliás, neste particular, do zelo e capricho, quando vemos alguma solução ser tomada em Uberaba, normalmente é frustrante. O exemplo clássico vem da administração dos Correios na cidade. Quando estragou o relógio público que existia no alto do prédio central daquela empresa, a solução inventada foi profilática: retiraram o relógio!

 

FEIURA

Por isso (ou por falta disso) o uberabense sente-se frustrado com muitas visões urbanas que poderiam ser esteticamente melhores, mas que nada se faz... A cidade, com muito orgulho para todos nós, é bonita e acolhedora; mas se não houver zelo e capricho, o visual se deteriora.

 

FACILIDADE

O mundo virtual, com seus saltos vertiginosos, trouxe uma grande facilidade para os usuários dos cartórios brasileiros. Hoje, já é possível solicitar a entrega, em domicílio, de inúmeros documentos antes retirados mediante paciência e esforço nas longas filas. Certidões de nascimento, de óbito, de imóveis, de protesto, etc., são comodamente solicitados a partir da casa do interessado, mediante pagamento (também eletrônico) de boleto bancário. Melhorou muito!

 

FENÔMENO

A coluna procurou manter contatos com as empresas do setor sucroalcooleiro da região, lideradas pelos grupos Lyra e Coruripe. Os bolsões de ar gerados pela inversão da pressão atmosférica trouxeram para Uberaba a toxicidade da fuligem e a fumaça da madrugada de sexta-feira. Um dos preços que se paga por estarmos ilhados por canaviais. Aguarda-se a manifestação de nossas autoridades do meio ambiente.

 

VERGONHA

A vergonhosa e absolutamente inepta atuação do Estado de Minas Gerais na questão da Segurança Pública em Uberaba é a maior (talvez única) responsável pelos índices obscenos da criminalidade que a cidade expõe. Não há efetivo condizente da PM; não há salários dignos na área, não há equipamento, nem estrutura, nem nada... E os uberabenses estão morrendo como moscas em latrocínios!

 

ASSOCIAÇÃO

Por falar em Segurança Pública, Uberaba ganhará mais uma Associação. Desta vez, são os Guardas Municipais que se preparam para sua assembleia de fundação.  O número de GM’s em Uberaba é tão aquém do necessário que aconselhamos não criarem uma chapa diretiva muito grande. Sob pena de não sobrar plateia para referendar os atos da diretoria...

 

EXEMPLO GERAL

Quem quiser entender o que está se preparando para o “gran finale” do impeachment da presidente Dilma deve prestar atenção nos detalhes. Um bom exemplo: o deputado Aelton de Freitas anunciou, aqui na city, que suas emendas parlamentares (R$ 15 milhões) foram liberadas pelo governo e, em breve, os viadutos de Uberaba ganharão corpo. Dias antes, em Brasília, o deputado anunciara que é contra o impeachment, por não ver crime nas pedaladas fiscais. Pra quem sabe ler...

 

E AGORA ESSA!

Como se nada mais faltasse para o brasileiro se assombrar, surge, agora, o macro-escândalo internacional dessa coisa chamada Moussak-Fonseca, uma fábrica de picaretagens montada há anos no Panamá e só revelada agora por vazamento (interno, claro) de seus arquivos para um jornal alemão. Ao invés de sair gritando, o jornal acionou um clube internacional de jornalistas investigativos. O resultado está aí!

 

UM TRI!

Os números são estarrecedores. O volume de dinheiro brasileiro que circulou em dez anos pelas “ofshores de conveniência” soma U$ 266,6 bi! Isso mesmo: duzentos e sessenta e seis bilhões e seiscentos milhões de dólares!!!! Algo em torno de 1 Trilhão de Reais. O Brasil é o sexto país da lista deste escândalo em evasão de dinheiro.  E para quem está falando “e eu com isso?” é bom ler o tópico abaixo.

 

QUEM PAGA

As revelações deste macroescândalo mostram, mais uma vez, porém, agora, com PROVAS, que quem paga imposto em nosso país são apenas os idiotas que trabalham, que dão duro e possuem imposto descontado na fonte. Ou pequenos empresários, perseguidos sistematicamente pelo fisco. Os gordos maganos da economia nacional criam a evasão através de suas ofshores, num espetáculo nojento de sonegação em larga escala. Brasil!

 

NÚMEROS E DISCURSOS

Analisando os dados disponíveis no sítio da Prefeitura de Uberaba, que recentemente contratou a consagrada Fundação Getúlio Vargas para assessorá-la, pode-se extrair que a administração local precisa melhorar seu foco e o discurso. É certo que a queda na receita está acontecendo. Mas também pudera, a administração enviou à Câmara Municipal, nos últimos anos, orçamentos superavaliados no quesito receita e, em 2015, sequer alcançou 60% do que tinha orçado. Ora, se é sabedor que não atingiu as receitas orçadas, insistiu em manter seu nível no orçamento de 2016 não se sabe por que ou para que fim. Mas, a omissão está em não dar o devido tratamento às despesas. E, nesse quesito, apenas nos gastos com a folha de pessoal, que não separam comissionados e contratados de efetivos, nos últimos quatro anos, cresceu 52% contra uma inflação de menos de 20%, saltando de 200 milhões para 308 milhões. E ainda querem que concordemos que o maior vilão é a queda de arrecadação. Assim não dá, assim não é possível. Ainda em consulta ao sítio, observamos que, em outubro de 2015, o município contava com 9.009 servidores em seus quadros. Hoje, ainda segundo a mesma fonte, este número caiu para 8.803 para atender a uma cidade que conta com pouco mais de 300 mil habitantes. Conforme dados de 2010, Franca, no Estado de São Paulo, tinha, à época, 318 mil habitantes. Se não exatamente iguais, bem próximo aos de Uberaba em se tratando de população. Porém, o espantoso fica por conta da diferença do quadro de servidores, quando os números apontam para 4.492 servidores.