Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Fabiano Fideles

ACESSIBILIDADE: A A A A
Fabiano Fideles 24/04/2016
Fabiano Fideles
jjura2@terra.com.br
Fabiano Fidelis

MUITA GRANA

O número de obras federais iniciadas e paralisadas em nossa região bate todos os recordes do escárnio com dinheiro público. Tudo fruto da falta de planejamento e da esperteza de alguns deputados que buscam nos Ministérios as “emendas do momento”, de fácil liberação, sem ao menos saber de sua importância para suas bases eleitorais.

 

NECESSIDADE

A “motivação” para obras estrambóticas e inexplicáveis é sempre dada através de discursos, muito longos, que o povão não entende nada e faz alguns mais crédulos arregalar os olhos de admiração. “E eu, que nem sabia que minha cidade estava precisando disso”, diz o angelical eleitor. E não estava mesmo!

 

COMISSÕES POLPUDAS

A justificativa, na verdade, pode ser encontrada através de um rápido exame no sistema de licitação dessas “pérolas” da engenharia civil. Averiguando qual ou quais empreiteiras foram responsáveis pela execução da dinheirama, percebe-se que o “frêmito desenvolvimentista” do parlamentar era, na verdade, polpudas comissões... Vergonha!

 

PIPOCAM EXEMPLOS

Quem viaja pelo Triângulo Mineiro vai se defrontar com dezenas de exemplos de obras absolutamente inexplicáveis. Algumas, com muito esforço, ainda podem ser convertidas em benefícios para a comunidade, como esse monstrengo uberabense chamado “BRT” em Uberaba, um acinte e um desvario megalo-financeiro. Em Frutal, uma “jaboticaba” chamada “Hidroex” já torrou 200 milhões de reais e, até hoje, a cidade não sabe pra que serve...

 

TRISTEZA

É muito triste, num país onde mais da metade dos jovens não possui acesso à educação, onde a violência (fruto da falta da mesma) provoca a morte de 60 mil pessoas (jovens maioria outra vez) por ano, constatar que nossos queridos representantes federais estão pouco se lixando para as causas sociais. Interessa é o bolso! Existem as exceções; porém não enchem um dedal...

 

ASTRAL MELHOR

Com as chuvas dando um descanso, as operações de tapa-buracos em Uberaba estão mostrando seu efeito. O volume de reclamações praticamente zerou. O secretário de Urbanismo, Antônio Oliveira, trabalhou com vontade (e pouco dinheiro) e provou que a eficiência nos serviços públicos é irmã gêmea do planejamento. Sem planejar, nada funciona!

 

DEUS ACUDA

Arroz, cebola, carne... As donas de casa levam as mãos à cabeça a cada visita ao supermercado. Desacostumados, os brasileiros voltam a conviver com a carestia provocada pelo agravamento da crise. Nesta semana, o mais sagrado dos alimentos, cultuado a milênios, inclusive bíblico, o pão, foi o vilão da onda: está 12% mais caro!

 

TUDO ERRADO

Falando em economia, é interessante notar como os presdigitadores da opinião pública continuam iludindo o povão. Há anos, vende-se a ideia de que o Brasil é economicamente forte por ser “grande produtor de commodities”. A palavra, pedida emprestada ao anglicismo, é uma forma nova (e escrota) de esconder o termo “matéria prima”. Desde o início do século passado, todo cidadão medianamente informado sabe que a desgraça de nosso país é exatamente não industrializar a matéria prima que produz. Hoje, já ensinam erradamente às crianças que a matéria prima é nossa glória e salvação...

 

E O NIÓBIO?

Neste momento de tantos agitos políticos, quando um vice se lança na arena pela tomada do poder em nível federal, há brasileiros sonhando com velhas esperanças, há muito sepultadas pela inércia de nossos homens públicos. Uma dessas esperanças, reclamada fortemente por quem entende do assunto, é a revisão das exportações do nióbio brasileiro. O assunto, bastante denunciado nas redes sociais, não mereceu até hoje uma mínima resposta de nossas autoridades.

 

ARAXÁ NOS SALVARIA

Professores de geologia, engenheiros industriais, economistas e cientistas de uma forma geral inundam a internet denunciando que o nióbio, cujas jazidas em solo araxaense estão entre as maiores do mundo, é exportado a preço de banana. Segundo esses estudos, bastaria ao Brasil que o preço pago pelo raríssimo metal fosse “o de mercado” e o país triplicaria seu produto interno bruto... Ou seja, Araxá nos levaria para o primeiro mundo... Verdade! Está na Web, pode conferir!

 

ATÉ QUANDO?

Como um interminável filme de horror, os quadros de violência vão se sobrepondo aos olhos uberabenses, dia após dias. Meses atrás, num crime hediondo, trucidaram um travesti em um bairro distante. Nesta semana que se finda, o menor que foi testemunha do crime morreu fuzilado no Parque dos Girassóis. E amanhã, com certeza, outras cenas horrendas estarão à nossa frente. É uma total falta de vergonha na cara as nossas autoridades estaduais permanecerem de braços cruzados perante tal quadro. E isso vale para o governador Pimentel e para os deputados estaduais que aqui foram votados.

 

SEM EFETIVO

Por isso mesmo, chega a ser risível a nota veiculada pela administração municipal de que será aprovado, com pompa e louvor, o novo projeto da Guarda Municipal que regulamenta sua hierarquização e o comportamento ético... Uma corporação que o município mal sustenta com 70 homens, quando seria necessário pelo menos dez vezes isso! Como o Governo Estadual não faz nada para conter a violência em nossa cidade, a melhor saída seria “municipalizar” a segurança. E deduzir as despesas advindas desta decisão, dos impostos que humildemente despachamos para os cofres estaduais.

 

MISTÉRIO

A euforia na construção de casas, gerada pelos programas habitacionais da última década, criou um efeito extra em vários municípios. Os gerentes destinados à orientação e execução dos projetos nas diferentes cidades tornaram-se, via de regra, políticos de primeira grandeza. O fato é registrado em milhares de municípios brasileiros. Em Uberaba, figuras até mesmo apagadas em termos eleitorais, como Samir Cecílio Filho, Wagner Júnior e até o delegado Dutra, tornaram-se vereadores-celebridades! Vai daí que ninguém explica o atual mistério da política uberabense. O atual titular desta área na cidade, o advogado Marcos Jamal, não é candidato a nada!

 

BRINCADEIRA

A discussão de nossos ilustres vereadores a respeito do preço do etanol cobrado nas bombas de postos de combustíveis em Uberaba pode ter lá seu lado simpático. Porém, os senhores edis sabem que estão “jogando para a plateia”... Quem regula os preços em nosso país são as agências federais, para isso criadas, e mesmo assim quase nunca interferem, deixando a situação se autorregular pelo mercado!

 

ABASTECER O QUÊ?

Aliás, essa questão do preço dos combustíveis nos remete a uma pergunta bastante curiosa: pelo andar da carruagem, a tendência da queda no volume de abastecimento só tende a aumentar. Entre as indústrias atingidas frontalmente pela grave crise econômica que o país atravessa, a automobilística é, disparada, a campeã. No primeiro trimestre deste agourento ano de 2016, a queda na produção (dados Anfavea) bateu a casa dos 10%! O acumulado no ano já superou os 58%.

 

UBERABA CAMPEÃ!

Este é um título que diz muito a respeito de nossa cidade. Entre todas as cidades mineiras, incluindo BH, Juiz de Fora, etc., Uberaba alista-se entre as cinco maiores comunidades poupadoras de dinheiro. O volume da poupança no município é de R$ 1,1 bilhão, segundo informou o IBGE na última sexta-feira.  Um índice que, segundo analistas econômicos, longe de provar nossa riqueza, explica a ausência de meio circulante em nosso mercado.

 

NO COFRE

O curioso é que essa mentalidade, de lutar (e lutar muito!) para destinar todos os lucros para o cofrinho, parece ter se espraiado por todo o município, contaminando mentes e corações. Chegou a tal ponto que até mesmo as empresas de fora, que aqui se instalam, são cobradas a nos oferecer apenas as vagas de mão de obra necessária. Os lucros, com a total compreensão de nossos dirigentes, podem ser totalmente remetidos para as matrizes, fora da cidade...

 

TANGENTE

Muito elucidadora a visita da presidente Dilma Rousseff a Nova Iorque. Os adversários (tucanos na maioria) ficaram em Brasília, aguardando o pronunciamento da chefe de Estado na ONU. Caso ela falasse em golpe, dariam entrada a mais uma denúncia de crime de responsabilidade, contra Dilma, junto ao STF. A presidente, pelo menos no pronunciamento oficial (não nas entrevistas particulares), evitou falar em “golpe”. Aliás, seria estranho explicar golpe numa situação em que o presidente viaja, seu vice toma posse, depois, o presidente retorna e retoma o cargo que havia deixado vacante...

 

POLITIZAÇÃO

Talvez por tanta repetição dos governistas, que falam em sabotagem, golpe, ato de força, etc., a população brasileira venha se despertando para a realidade de nossos dias. Como ninguém, nenhuma alma ligada aos governistas fala nos crimes de corrupção, na quebradeira do país, já ficou claro para todo mundo que, ao PT, interessa é politizar a crise.

 

E LA NAVE VÁ...

Enquanto isso, aqui na terra herdada dos botocudos, o desemprego bate recordes estratosféricos. O mês de março passado foi o pior entre todos, segundo os dados recém-divulgados pelo IBGE. Nada menos que 120 mil vagas formais deixaram de existir no lamentável mês passado!

 

SUA CADEIRA...

No Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte, um vice-governador que já foi ministro da Agricultura e que é um articulado membro do PMDB nacional vigia com um olho a cadeira de seu titular, enquanto, com o outro, acena juras de amor e lealdade. Com o agravamento das provas obtidas pela operação “Acrônimo”, da Polícia Federal, o zum-zum na capital mineira é sobre as chances de Toninho Andrade vir a ser o substituto de Fernando Pimentel no governo de nosso Estado. Toninho começou sua vida pública nos anos 90, como prefeito da vizinha Vazante.

 

VALE TUDO!

E por falar em troca de governo, quem está com as caldeiras a pleno vapor é o vice Michel Temer. O seu poder de articulação e barganhas vem atingindo índices inimagináveis. Agora, através do sempre risonho Paulino da Força, Temer está se articulando para ocupar os cargos do Incra. E, embora pareça mais uma peça de ficção (de mau gosto), pediu que Paulinho consultasse ninguém menos que José Rainha, o questionado líder de movimentos sociais. E não é que Rainha topou? Já indicou um nome...  Com essa, é melhor encerrar a semana. Bom domingo a todos!