Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Marcos Montes

ACESSIBILIDADE: A A A A
Marcos Montes 21/02/2014
Marcos Montes
dep.marcosmontes@camara.leg.br
Fala Deputado - Marcos Montes

Evolução – Câmara dos Deputados acaba de dar mais um passo importante na segurança pública e na função social do Direito. Aprovamos, em primeiro turno, a Proposta de Emenda à Constituição que fixa prazo de oito anos à União, aos estados e ao Distrito Federal para que todos os municípios tenham defensores públicos.

Problemas – De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), a falta de defensores públicos é uma das principais causas dos problemas carcerários no Brasil, pois afeta o acompanhamento dos processos dos detentos. Ao mesmo tempo em que contribui para o alto índice de presos provisórios, acaba colocando um grande número de acusados de volta às ruas justamente porque seus processos não caminham.

Direito de todos - Mas, a questão é ainda muito mais ampla. Ela envolve os direitos individuais e coletivos da população com menor poder aquisitivo. Por isso, quando prefeito de Uberaba fiz questão de criar a Defensoria Pública Municipal, que funcionava muito bem e tinha apoio total da minha administração.

 

ESPORTES – Não é segredo pra ninguém, a minha paixão pelos esportes. Afinal, eles refletem positivamente na saúde, na convivência social, no lazer, e, portanto, na qualidade de vida de um modo geral. Por isso, fiquei feliz de ver de perto a culminância da Copa de Vôlei do Uirapuru. A entrega dos troféus para as equipes vitoriosas da disputa, e ainda, o encontro com grandes amigos do basquete, renovaram minhas energias.  Um abraço para o técnico Voner e a coordenadora de esportes do clube, minha amiga Sandra, e parabéns para todos que contribuem com um mundo melhor, através do esporte.

 

Consciência - Quero parabenizar o vereador tucano João Gilberto Ripposati por abraçar a defesa de duas importantíssimas instituições. Ele quer concurso público para contratar pesquisadores na Epamig e na Emater.

Seriedade – Ripposati preside a Comissão Permanente de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Agronegócio, na Câmara de Uberaba, e é, sem dúvida, um dos políticos mais sérios de Minas Gerais, além de ser servidor de carreira da Epamig. Portanto, sabe bem o que faz.

Qualidade - Estas duas entidades são responsáveis diretas por praticamente todo o processo de desenvolvimento rural, principalmente na produção de alimentos, e têm contribuído para que o Estado de Minas ocupe as melhores posições em termos de Brasil. Mas, tudo isso pode se perder com o tempo, se não houver uma reposição urgente dos seus quadros de pesquisadores.

Tempo pra política - E em ano de eleições não dá pra ignorar as movimentações políticas! Pelo que tenho observado, a briga prevista para o cenário nacional entre a presidente Dilma Rousseff (PT) e o senador mineiro Aécio Neves (PSDB) pela Presidência da República tende a se repetir em Minas Gerais.

Polarização - Ontem, o PSDB de Aécio e do governador Antonio Anastasia lançou a candidatura do ex-prefeito de Belo Horizonte e ex-ministro Pimenta da Veiga, ao governo de Minas. Dias atrás, o PT lançou o nome do ex-ministro Fernando Pimentel.

Conversas – Enquanto isso, meu partido, o PSD – que apoia o governo federal, mas tem fortes ligações com o governo de Minas – avança nas negociações, sobre a possibilidade de nós, da bancada mineira, sermos liberados para apoiarmos Pimenta da Veiga. Este, por sinal, foi tema das primeiras conversas sobre o assunto, entre o presidente nacional Gilberto Kassab e eu, quando ele esteve em minha residência, em Uberaba, na ExpoZebu.

Tribuna do povo - Encerro a coluna com um assunto que tem provocado muita polêmica: a maioridade penal. Por causa do grande envolvimento de menores em crimes, tenho sido cobrado para votar e trabalhar pela redução da maioridade. O que percebo, porém, é que a mobilização dos ativistas em favor de se manter a maioridade aos 18 anos tem sido mais forte. Diante deles, que tomaram as galerias do Senado, a Comissão de Constituição e Justiça rejeitou a proposta de se condenar os menores, já aos 16 anos, quando se tratar de crimes hediondos.