Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Marcos Montes

ACESSIBILIDADE: A A A A
Marcos Montes 06/03/2015
Marcos Montes
dep.marcosmontes@camara.leg.br
Marcos Montes

ELAS - Abro a coluna de hoje antecipando meu abraço especial para as mulheres - elas, que serão homenageadas neste domingo, 8 de março, Dia Internacional da Mulher. E faço isso através das guerreiras, amigas, confidentes, conselheiras com as quais divido minha vida. Marília e nossas filhas Gabriela e Guta são meu porto seguro, a base que sustenta meus alicerces. Elas representam muito bem a garra, a capacidade de superação, a esperança e a sensibilidade das mulheres. Tenho um grande orgulho de fazer parte deste pequeno grande mundo familiar.

Violência contra a mulher - Eu não poderia, aqui, deixar de comemorar a aprovação do projeto de lei que torna homicídio qualificado o assassinato de mulheres em razão do gênero (feminicídio), inclusive com a classificação de crime hediondo. Com a medida, o Parlamento manda um recado importante: o país não pode silenciar diante de tantos assassinatos e outros crimes envolvendo violência doméstica e familiar ou menosprezo e discriminação contra a condição de mulher. Sem dúvida, ainda há muito que se avançar em relação ao Código Penal Brasileiro e o endurecimento das penas de um modo geral tem que ser priorizado no Congresso.
Combate à criminalidade - Aderi à Frente Parlamentar da Segurança Pública - coordenada pelo colega Alberto Fraga, do Distrito Federal - com o objetivo de contribuir com a batalha contra a criminalidade, que, espero, se torne realmente uma prioridade no Congresso Nacional! Nunca me omiti no que se refere a este assunto e, muitas vezes, me senti uma andorinha tentando fazer verão sozinho. Projetos de minha autoria e de outros colegas tramitam na Câmara, e espero que, agora, finalmente, sejam debatidos e votados. A sociedade brasileira não aguenta mais.
Atividades - E, como sempre faço, quero aproveitar este espaço para prestar contas da minha participação parlamentar. Até agora, além de integrar (e presidir) a Frente Parlamentar da Agropecuária e ser membro do colegiado da Segurança Pública, também ingressei nas frentes parlamentares da Assistência Técnica e Extensão Rural; Apoio às Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas; Mistas da Micro e Pequena Empresa; Transporte e Logística; e a do Café. E ainda: nas comissões permanentes de Minas e Energia; de Agricultura, Pecuária e Abastecimento Rural; e do Esporte.
História - E vai aqui uma boa notícia para os historiadores (ainda que o projeto tenha que retornar ao Senado para nova votação): a Câmara dos Deputados aprovou a proposta que regulamenta a profissão e estabelece os requisitos para seu exercício. Já foi um passo importante, e estamos caminhando para chegarmos ao ideal. Os historiadores são, acima de tudo, os responsáveis pela preservação e pelo respeito às nossas origens. Uma belíssima profissão. 
Moralização - A Câmara também deve votar, em breve, o projeto que institui a Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte (PL 5201/13, também conhecido como Proforte). Entre outras medidas, a matéria prevê regras para renegociação das dívidas dos clubes de futebol com a Receita Federal (incluindo contribuições previdenciárias), com o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e com a Timemania. O objetivo de um modo geral é fortalecer o esporte e recuperar a beleza da preferência dos brasileiros: o futebol.
Gasoduto - Encerro a coluna deste dia 6 de março de 2015 parabenizando e torcendo pelo sucesso do movimento NovoGásOeste, criado com o objetivo de agilizar a construção do gasoduto de Uberaba e de defender a proposta de um empreendimento totalmente mineiro. Não se trata, aqui, de defender apenas o desenvolvimento de Uberaba, mas também de toda Minas Gerais. Por si só, o gasoduto significa um boom no emprego/renda dos mineiros. Até sexta-feira que vem.