Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Marcos Montes

ACESSIBILIDADE: A A A A
Marcos Montes 08/04/2016
Marcos Montes
dep.marcosmontes@camara.leg.br
Marcos Montes

Relator cita Chico Xavier no parecer que admite denúncia contra a presidente da República

Ensinamento - Bem-vindos! Abro a coluna de hoje com uma reflexão citada pelo relator/deputado federal Jovair Arantes (PTB-GO) em seu parecer (143 páginas) sobre o pedido de impeachment da presidente da República, que está tramitando na comissão especial que analisa a denúncia na Câmara:

_ “São nesses momentos de crise, aliás, que temos a oportunidade de

trilhar um novo caminho. Como diz Chico Xavier, ninguém pode voltar atrás e

fazer um novo começo. Mas qualquer um pode recomeçar e fazer um novo fim".

 

Depende de nós - A citação atribuída ao médium Chico Xavier espelha, com certeza, o momento que estamos vivendo na política brasileira. Temos que recomeçar com um novo governo e buscar um novo fim, que seja mais promissor para as próximas gerações.

FERVURA - Ao presidir sessão plenária da Câmara, quarta-feira, 06/04, o deputado federal Marcos Montes (PSD/MG) teve que usar o jogo de cintura para apaziguar os ânimos entre os colegas que usavam a tribuna – ora para defender, ora para criticar o pedido de impeachment da presidente (Foto: Cláudio Basílio/Liderança PSD)

 

Defesa inócua - E é bom que se diga que, apesar de todas as oportunidades de defesa na comissão que analisa o pedido de impeachment, os defensores da presidente não conseguiram derrubar a denúncia apresentada pelos juristas Janaína Paschoal, Miguel Reale Júnior e Hélio Bicudo – que foi um dos fundadores do PT.

 

Decepção - Não se esperava muito dos demais defensores, mas havia certa expectativa em relação ao advogado-geral da União, ministro José Eduardo Cardozo. Qual o quê! Foi decepcionante. As acusações de fraudes fiscais não têm defesa, mas muita gente acreditava que Cardozo pelo menos se destacaria como orador.

 

Chega de golpe! – E vou desabafar com vocês. Estou perdendo a paciência com esta história de golpe – o pseudoargumento usado pelos petistas e seus aliados com o objetivo de se manterem no governo através de Dilma Rousseff.

 

Os verdadeiros golpistas - Não existe golpe no pedido de impeachment. Golpe é o que esse pessoal fez com a Petrobras, uma empresa do povo, que foi usada ao bel prazer para enriquecimento ilícito de muita gente. Golpe é o que se descobriu no mensalão. Golpe é o que fizeram na campanha presidencial de 2014, quando mentiram para o povo sobre a situação do país.

 

Exemplos - Por sinal, a quantidade imensa de pedidos de impeachment que Lula e seu PT propuseram contra Deus e o mundo ao longo dos anos, antes de assumirem o poder, já seria suficiente pra desmontar a pseudotese de golpe no impeachment da atual presidente.

 

Reforço - Entretanto, se isso não é suficiente pra derrubar a pseudotese do golpe, esta semana, surgiu uma nova confirmação de que o pedido de impeachment da atual presidente é, sim, constitucional.

 

Legitimidade - O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), mandou o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB/RJ), receber pedido de impeachment do vice-presidente Michel Temer, protocolado por um advogado em dezembro do ano passado. Com isso, o STF reforça a legitimidade do pedido de impeachment.

 

Campo unido - Depois da Frente Parlamentar Mista da Agropecuária (FPA) – entidade que presido -, agora, foi a vez de a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) apoiar o movimento em favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff. “O Brasil está vivendo uma gravíssima crise econômica originada por reiterados erros de política econômica e pelo colapso fiscal promovido pela ação do atual governo”, disse a CNA em nota oficial.

 

Crime - Pesaram na decisão da CNA, as declarações feitas por um dirigente da Contag em pleno Palácio do Planalto na frente da presidente. Ele defendeu a invasão de propriedades rurais, incitando a violência como recurso de pressão política.

 

Violência - A nota da CNA lembra que, “como resposta à crise política, o governo federal mobiliza para sua defesa apenas organizações radicais e minoritárias da sociedade, aprofundando divisões e separando as pessoas”. Enfim, o governo está estimulando a violência.

 

Que Deus nos guie nesta busca por um Brasil de paz... Até a semana que vem!