Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Marcos Montes

ACESSIBILIDADE: A A A A
Marcos Montes 14/08/2016
Marcos Montes
dep.marcosmontes@camara.leg.br
Marcos Montes

“Bobo do político que pensa que o povo é bobo!”

 

Por um Brasil melhor - Bem-vindos. Abro a coluna deste fim de semana lembrando que estamos ingressando na fase crucial do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousse (PT). Na sexta-feira, o advogado de defesa, José Eduardo Cardozo, entregou à Secretaria-Geral da Mesa do Senado as alegações da presidente afastada, em que ela tenta se defender, por escrito, das alegações da acusação, que foram entregues dia 10.  O julgamento foi marcado para dia 25 de agosto – começa às 9h, e deve se estender por alguns dias. Mas, pelo andar da carruagem, de agosto não passa.

Renúncia - Reconheço que ela tem direito de usar até o último segundo do tempo destinado ao julgamento para tentar se defender. Mas, tivesse ela um compromisso verdadeiro com o país e com os brasileiros, já teria renunciado ao cargo. Em vez disso, prefere denegrir a imagem do Brasil no exterior, reprisando a estória do golpe que não existe.

Democracia - Aliás, aproveito para ressaltar a atuação do Congresso Nacional – seja na Câmara, onde a denúncia foi recebida e admitida, seja no Senado – onde a presidente afastada foi transformada em ré e se encontra em julgamento. Não há que se falar em golpe. Pelo contrário. É injusto fazer tal acusação, levando-se em conta a forma democrática e transparente com que o processo tem tramitado desde o início.

Fava contada - Nem mesmo os aliados da presidente afastada acreditam na possibilidade de se reverter o impeachment, apesar de parte deles se recusar a admitir isso em público.  A sessão de 09/10 de agosto, comandada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, terminou com uma maioria esmagadora de votos a favor do relatório do senador Antonio Anastasia, que mandou a presidente afastada para o julgamento final do impeachment.

Perto do fim - Foram 59 votos. E vale lembrar que, para aprovar o impeachment serão necessários apenas 54. Se houver mudança no placar, com certeza será para 60, 61, ou 62 votos. Tudo indica, portanto, que estamos próximos de recuperar nosso país. Não será fácil vencermos as crises ética e econômica sem precedentes que Lula e Dilma vão deixar de herança, mas o povo brasileiro é valente e vai ganhar esta guerra.

Obrigação - Enquanto isso, estou procurando seguir à risca o compromisso que fiz com o povo brasileiro e comigo mesmo: de não fugir à luta. Diário Oficial da União publicou dia 05/08 minha designação para a função de vice-líder do governo de Michel Temer (PMDB) na Câmara dos Deputados.  Ao lado de outros companheiros, aceitei o desafio por entender que, ao votar e defender o impeachment da presidente afastada, eu assumi a obrigação moral de colaborar para que o novo governo consiga amenizar a gravidade da crise.

 

 

RESPEITABILIDADE - Vereador João Ripposati foi recebido na convenção do PSD de Uberaba como um verdadeiro líder, e recebeu apoio dos companheiros para se candidatar a vice-prefeito – respeito que se repete nas redes sociais, nas pesquisas e por toda a cidade. (Foto: Marco Aurélio Ferreira Cury)

 

 

Aliança - E já que citei Michel Temer e o PMDB, quero deixar aqui, meu testemunho, sobre a repercussão da aliança acertada entre o PSD e o PMDB na cidade de Uberaba, minha principal base política e eleitoral. Desde que o PSD aprovou, em sua convenção, o nome do vereador João Ripposati, para ser o vice na chapa de reeleição do prefeito Paulo Piau, do PMDB, só tenho recebido cumprimentos.

Receptividade - Nas redes sociais, nas pesquisas eleitorais, nas caminhadas pela cidade e visitas aos mais variados segmentos de Uberaba, a pré-candidatura de Ripposati a prefeito foi recebida com respeito. Nem os adversários ousaram criticar seu nome, cuja marcada registrada é a ética na política.  Entretanto, após profundas reflexões e avaliação das circunstâncias políticas de Uberaba, o próprio Ripposati reconheceu que ainda precisa de um tempo para enfrentar este desafio.

Dobradinha - E, felizmente, surgiu a alternativa de uma aliança digna; uma aliança à altura de Ripposati, de acordo com o que o PSD de Uberaba defende, e à altura do que o povo de Uberaba merece. O prefeito Paulo Piau representa tudo isso.

Ética - E foi com muita alegria que, na condição de presidente do PSD de Uberaba, de amigo e apoiador da chapa, constatei que Ripposati não perdeu um mínimo de respeito por ter abraçado a candidatura de vice-prefeito. A compreensão foi imediata entre os uberabenses que querem ética na política.  Bobo do político que pensa que o povo é bobo! A maioria do eleitorado sabe muito bem o que acontece ao seu redor.

 

Bom fim de semana e até a próxima coluna.