Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Marcos Montes

ACESSIBILIDADE: A A A A
Marcos Montes 16/10/2016
Marcos Montes
dep.marcosmontes@camara.leg.br
Marcos Montes

“PSD entra na disputa pela presidência da Câmara de Uberaba em respeito aos eleitos, não eleitos e à militância do partido”

 

A política - Bem-vindos! Minha principal participação no processo eleitoral de 2016 se encerrou dia 2 de outubro, mas a política é extremamente dinâmica - sou político sim, com muito orgulho -, e tenho ainda, uma série de assuntos a tocar em frente.

Passo seguinte - Descemos do palanque nas minhas principais bases políticas, mas assumimos agora, as articulações de bastidores, inclusive no que se refere à formação das mesas diretoras das câmaras municipais.

Justiça - Em Uberaba, por exemplo, entendo que se trata de uma questão de justiça, seja pela performance dos eleitos do meu partido, o PSD; seja em respeito aos candidatos que não se elegeram, mas que fizeram bonito na campanha; seja em reconhecimento à militância pessedista, que deu um show de mobilização.

A legenda - Não canso de falar do meu orgulho pela turma do partido que presido em Uberaba! Mas é preciso transformar este orgulho em ação prática, e isso envolve conservar a grande força política em que o PSD se tornou nessas eleições municipais, e ainda, fortalecer o partido cada vez mais.

Câmara de Vereadores - Por isso, em reunião no fim de semana com os três eleitos da legenda, ficou decidido que o PSD vai ter candidato próprio a presidente da Câmara de Uberaba. O vereador e vice-prefeito eleito, João Ripposati, o vereador reeleito Ismar Marão, e o vereador eleito pela primeira vez, Agnaldo Silva, e eu, concluímos que o PSD não pode e não deve abrir mão desta disputa. Além da vice-prefeitura, a legenda está preparada para administrar o Legislativo.

Apoio - Já reforcei ao prefeito reeleito Paulo Piau (PMDB), que somos seus aliados, defensores, apoiadores, tanto neste final de governo, quanto no governo 2017/2020. Mas vamos trabalhar para que um dos dois vereadores, Ismar ou Agnaldo, seja o próximo presidente da Câmara, mesmo que a preferência dele seja por outra candidatura.

Lançamento - Ismar e Agnaldo têm meu total apoio para se lançarem na disputa. Aquele que apresentar a melhor performance será o meu candidato. Cabe a eles, nesse momento, buscar apoios e votos entre os colegas da próxima legislatura.

 

ARTICULAÇÕES - Ismar Marão, Agnaldo Silva, Ripposati e Marcos Montes: presidência da Câmara de Uberaba na mira do Partido Social Democrático

 

 

Câmara dos Deputados - Além das articulações de praxe nas cidades da minha base eleitoral, lembro que a Câmara dos Deputados está agitada com uma série de assuntos extremamente importantes para o Brasil.

Ações nacionais - Não bastasse o mandato de deputado federal, ao qual devo respeito e obrigação, também sou vice-líder da bancada do PSD, vice-líder do governo Michel Temer (PMDB) e presidente da Frente Parlamentar Mista da Agropecuária (FPA) – o maior e mais atuante colegiado do Congresso. Tenho, portanto, muito trabalho pela frente.

PEC dos gastos - Entre os assuntos em pauta, a Câmara deve votar, entre os dias 24 e 25, em segundo turno, a PEC do Teto dos Gastos Públicos – como ficou conhecida a Proposta de Emenda à Constituição 241/2016, que exige responsabilidade dos governos no gasto do dinheiro do povo. A confirmação da PEC é imprescindível para que o Brasil comece a sair da profunda crise deixada pelos governos petistas de Lula e Dilma.

FIES - Também tenho compromisso com a aprovação do projeto que libera recursos para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), e que deve ser votado na próxima terça-feira, dia 18/10, pelo Congresso Nacional (Câmara e Senado juntos). Esta é outra matéria de extrema importância, uma vez que dará tranquilidade para milhões de estudantes que dependem do financiamento.

Repatriação - Outro assunto que está fervilhando na Câmara e pode voltar à pauta, é a proposta de mudanças na lei que permite que brasileiros regularizem dinheiro que mantêm no exterior sem declarar à Receita Federal e pagar impostos. Os governadores sonham com a aprovação desta matéria para que possam receber parte dos recursos.

 

Um abraço e até na próxima semana.