Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

JU Agora

ACESSIBILIDADE: A A A A

Quantidade de carros convocados em 2014 foi recorde

03/01/2015


A GM utilizou o laranja para promover o Onix no lançamento, mas tirou a cor do catálogo na linha 2014

 

Mesmo antes de terminar, o ano de 2014 bateu recorde na quantidade de carros envolvidos em recall. 
Segundo levantamento realizado (Autoesporte), 1.615.152 modelos haviam sido listados em convocações por diversos tipos de falhas até o dia 23 de dezembro. Até então, 2010 havia concentrado a maior quantidade, totalizando 1.110.574 carros.
Este valor representa um aumento de 149% em relação a 2013, quando foram convocadas 649.021 unidades. 
Desde 2012, o Brasil vive uma tendência de alta na quantidade de carros em recall. Em 2013, o aumento foi de 70% em comparação ao ano anterior. Os números consideram todas as unidades convocadas em cada recall, inclusive as que foram chamadas diversas vezes ao longo do ano.

Marcas - Considerando todas as montadoras que vendem carros no Brasil atualmente, a Chevrolet foi disparadamente a que mais convocou unidades, já que somente ela chamou 706.581. De cada 100 chamados para recalls neste ano, 44 eram da montadora norte-americana. A lista segue com Ford (11,5% ou 185.523 carros), Honda (10,6% ou 171.203 carros), Toyota (8,3% ou 134.563 carros) e Citroën (7% ou 113.093 carros). Todas as outras 22 marcas que convocaram recall somam 18,6% dos chamados. Das 41 marcas, 14 não convocaram nenhuma unidade ao longo do ano (Bentley, Chery, Ferrari, JAC, Kia, Lamborghini, Mahindra, Maserati, Porsche, RAM, Renault, Rolls-Royce, SsangYong e Troller).

 

IPI de carros novos volta a subir

Depois de quase três anos seguidos de alíquotas reduzidas, o Imposto sobre Produtos Industrializados dos carros novos volta a subir no país. A medida já era prevista pelo mercado e afetará veículos novos com diversos tipos de motor, além de utilitários.
A partir de agora, a alíquota cobrada sobre carros com motor até 1.0 passa de 3% para 7%; a de modelos com motor entre 1.0 e 2.0 flex salta de 9% para 11%; e a de veículos com motor entre 1.0 e 2.0 a gasolina passa de 10% para 13%; já os modelos com motor acima de 2.0 flex continuam com 18% de IPI, assim como os com motor acima de 2.0 a gasolina, que se mantém em 25%. Os veículos utilitários com qualquer motorização sofrerão aumento de 3% para 4% a 8%. Os caminhões permanecerão com a alíquota zerada.