Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

JU Agora

ACESSIBILIDADE: A A A A

Novas diretrizes da Inspeção Agropecuária são debatidas

01/08/2013

Técnicos da Confederação Nacional de Municípios - CNM, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Mapa e do Ministério do Desenvolvimento Agrário - MDA estiveram na terça-feira (dia 30), no auditório da CDL Uberaba (Câmara de Dirigentes Lojistas) onde foi dada continuidade à caminhada de 32 Seminários Nacionais sobre o Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal do Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária (Suasa) para os Serviços de Inspeção Municipal.

Em Uberaba, o evento que teve o apoio da Amvale (Associação dos Municípios da Microrregião do Vale do Rio Grande) contou com a presença de cerca de 200 servidores e gestores municipais de Uberaba e de diversos municípios mineiros. Além deles estiveram presentes, entre outros, veterinários, agrônomos, representantes de sindicatos e entidades de produtores rurais. Uberaba e Montes Claros são as duas únicas cidades mineiras a sediarem o Seminário Suasa.

O Seminário Suasa/Uberaba foi aberto pelo secretário Executivo da Amvale, Toninho Oliveira, que destacou a importância da programação, especialmente para os pequenos municípios e para a promoção de desenvolvimento regional. Agradeceu o apoio recebido das entidades e demais instituições ligadas ao agronegócio. “Não basta ter legislação, tem que levar aos produtores as orientações necessárias para o pleno cumprimento das mesmas”, diz.

“O objetivo do Mapa com a realização desse ciclo de palestras em todo o País é promover a informação sobre as novas regras e a nova postura do Governo Federal, frente à inspeção de produtos de origem animal, no País. Hoje, existe uma lei, já bem antiga que trata sobre o Sistema Único de Atenção à Sanidade Agropecuária que foi regulamentada e, agora, está sendo implementada para que todos os municípios possam ter o Serviço de Inspeção Municipal, atuante, com a finalidade de proteger a saúde do consumidor de doenças transmitidas por alimentos de origem animal”, expôs a palestrante Adriana Cássia de Oliveira.