Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

JU Agora

ACESSIBILIDADE: A A A A

Sem acordo, trabalhadores dos Correios podem entrar em greve

18/09/2013

Os trabalhadores dos Correios ligados à Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios, Telégrafos e Similares (Fentect) fazem, nesta noite, assembleias em 30 sindicatos para decidir se entram em greve. Na tarde de ontem (17), eles rejeitaram a proposta da direção da empresa, em audiência de dissídio coletivo no Tribunal Superior do Trabalho (TST).

A secretária-geral da Fentect, Anaí Caproni, espera a adesão de cerca de 80 mil trabalhadores à paralisação nacional. “Precisamos esperar as assembleias, mas há indicação de que a greve vai ser deflagrada”, disse Anaí à Agência Brasil. Os trabalhadores estão em greve em alguns estados desde a última quarta-feira (11).

A proposta da empresa, que já foi já aceita pelos sindicatos do Rio de Janeiro, de São Paulo, Bauru (SP) e Rondônia, prevê reajuste de 8% nos salários, e 6,27% a mais nos benefícios. Os Correios também oferecem o pagamento de um vale extra de R$ 650 em dezembro e vale-cultura dentro das regras do programa do governo federal.

Para os trabalhadores, a oferta é insuficiente. “A proposta dos Correios está muito aquém do pedido pelos trabalhadores”, diz Anaí. Segundo ela, a greve será por tempo indeterminado, até a empresa apresentar uma oferta satisfatória.

A Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Correios (Findect), outra entidade que representa os trabalhadores dos Correios, não compareceu à audiência no TST e encaminhou petição informando que os sindicatos filiados a ela já haviam celebrado acordo com a empresa estatal.

De acordo com a direção dos Correios, 98,73% dos empregados (122.889) compareceram normalmente ao trabalho nesta terça-feira, apesar da paralisação mantida por seis sindicatos (Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Tocantins, São José dos Campos e Vale do Paraíba).

As informações são da Agência Brasil