Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Interatividade - JU nas ruas

ACESSIBILIDADE: A A A A

Secretaria de Estado de Saúde alerta para doenças relacionadas ao trabalho


Os Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho são a segunda maior causa de afastamento no país / Agência Minas

Fadiga muscular, sensação de peso e cansaço em partes do corpo, perda de força, de controle dos movimentos, formigamento, alteração da sensibilidade e dor muscular ou articular, são alguns dos sintomas que compõe os Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORTs). Os DORTs, também conhecidos por Lesões por Esforço Repetitivo (LER) são distúrbios relacionados ao trabalho que acometem preferencialmente membros superiores e pescoço, mas que também podem atingir a coluna vertebral e membros inferiores em casos específicos. 

Segundo a, referência técnica da Diretoria de Saúde do Trabalhador da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES/MG), Marcela Lacerda, as principais causas de DORT estão relacionadas à organização do trabalho.  “Postos de trabalho inadequados, permanecer na mesma posição por muito tempo, movimentos repetitivos e ritmo intenso de trabalho, além de fatores psicológicos, como pressões internas e dificuldades de relacionamento, são as principais causas de DORTs.”

De acordo com dados do Instituto Nacional de Prevenção de Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho, os DORTs são a segunda maior causa de afastamento do trabalho no Brasil. Trabalhadores na faixa etária de 35 a 49 anos estão entre os mais acometidos pelo distúrbio. Além dos DORTs, estão entre as principais doenças causadas pelo trabalho os acidentes de trabalho, a perda auditiva induzida por ruído, transtorno mental relacionado ao trabalho, pneumoconiose (doença pulmonar causada pela inalação de poeira) e as dermatoses ocupacionais (alterações da pele).

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES/MG), por meio da Diretoria de Saúde do Trabalhador, busca a promoção, proteção, recuperação e reabilitação da saúde dos trabalhadores submetidos aos riscos e agravos advindos das condições de trabalho. A Diretoria de Saúde do Trabalhador da SES/MG também coordena a implantação e implementação da Política de Saúde do Trabalhador no Estado, considerando ações de vigilância dos ambientes, os processos e condições de trabalho e os agravos à saúde relacionados ao trabalho. 

Prevenção - De acordo com Marcela Lacerda, é importante que o trabalhador se lembre que os sintomas das doenças relacionadas ao trabalho não aparecem repentinamente. “O aparecimento da DORT, por exemplo, é insidioso, isto é, gradativo e lento, sendo importante a observação do próprio organismo.”

Para prevenir a DORT é importante que o trabalhador:

- Fique sempre atento ao seu corpo, e ao menor sinal de problema, procure um serviço médico ou fisioterapêutico para auxiliá-lo.

- Procure identificar as posturas incorretas durante o trabalho que podem gerar desconfortos momentâneos. Nem sempre a postura mais confortável é a mais adequada.

- Dentro da sua rotina de trabalho estabeleça pausas curtas. Aproveite esse momento para tomar um café, ir ao banheiro e beber água.

- Nos intervalos procure alongar e repousar as musculaturas mais utilizadas durante as tarefas.

- Mantenha o corpo em movimento. Não fique na mesma postura por tempo prolongado.

- Intercale as tarefas, assim o tipo de movimento se altera e as posturas também, permitindo o descanso de partes do corpo durante as tarefas.

Tratamento - Existem vários tipos de tratamento para os DORTs, sendo necessário que o trabalhador se informe sobre a qualidade e os efeitos de cada tipo de distúrbio. Além dos tratamentos medicamentosos, os tratamentos de fisioterapia com atividades de reabilitação e adequação posturais, bem como acupuntura, massoterapia, entre outros trabalhos corporais, são muito eficazes.

Caso o trabalhador seja diagnosticado com uma DORT, o agravo deve ser obrigatoriamente notificado na Ficha de Notificação de Doença Relacionada ao Trabalho LER/DORT, pois este é um agravo de notificação compulsória. Se o trabalhador for formal, com carteira assinada, a empresa deverá emitir a Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT). Se a empresa se recusar a emitir, o trabalhador deverá solicitar a emissão de CAT pelo profissional médico que o atendeu, ou seu sindicato.