Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Interatividade - JU nas ruas

ACESSIBILIDADE: A A A A

Caminhões e ônibus terão que se adequar a novas regras em junho


Os donos de caminhões muito antigos terão mais dificuldade para se adequar

 Da Redação

A partir do próximo mês, os caminhões e ônibus que não se adequarem à legislação concernente à emissão de poluentes serão multados. A decisão está prevista em resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), responsável pela regulamentação determinada pelo Código de Trânsito Brasileiro. Além da multa no valor de R$ 127,69, o motorista sofrerá a perda de 5 pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH), já que estará cometendo infração  grave.

A emissão de poluentes não pode ultrapassar os limites previstos pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). As informações podem ser conferidas no endereço: http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm? codlegi=618.

Atualmente, no país, são cadastrados na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), 870 mil caminhões pertencentes a profissionais autônomos e a idade média desses veículos é de 16,4 anos. O Estado de São Paulo, por exemplo, tem uma frota de mais de 1.865 mil caminhões, com idade média de 30 anos. Para o Ministério do Meio Ambiente, o fato de um caminhão ser antigo não implica em ser poluidor, tudo depende da manutenção realizada periodicamente no veículo. As exigências também são diferentes em relação a caminhões novos e antigos, pois os índices são variáveis.

Desde 2007, o Programa Ambiental do Transporte –Despoluir – realiza uma séria de aferições em todo o território nacional, visando à redução da poluição veicular e a melhoria do ar nas grande cidades. A manutenção periódica, além de diminuir a emissão de poluentes, diminui também o consumo de combustível. Apesar de essa medida mexer mais com o bolso dos autônomos, a esperança é que, com ela, as empresas também invistam na renovação de suas frotas, incluindo aí os governos em todas as instâncias. Outra expectativa com a implementação da fiscalização é que bancos e outros agentes financeiros possam criar mecanismos para dar acesso aos proprietários da troca de seus veículos por modelos mais novos.