Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Interatividade - JU nas ruas

ACESSIBILIDADE: A A A A

Uberaba vacina metade das crianças contra a poliomielite na primeira semana de campanha


A meta do Ministério da Saúde é vacinar, pelo menos, 95% das crianças, mas para o secretário de saúde Fahim Sawan a meta tem que ser vacinar todas as crianças​

A Secretaria Municipal de Saúde divulgou nesta sexta feira (14) o balanço da Campanha de Vacinação contra a Poliomielite. De acordo com os números, até o dia 13, 50% das crianças já tinham sido vacinadas, o que representa a imunização de 8.355 crianças. A meta do Ministério da Saúde é vacinar, pelo menos, 95% das crianças, mas para o secretário de saúde Fahim Sawan a meta tem que ser vacinar todas as crianças. “Quero que a gente atinja os 100% na Campanha. É uma doença que está erradicada e nós vamos mantê-la assim em Uberaba” decretou.

Uberaba espera vacinar 17.196 crianças contra a poliomielite, ou paralisia infantil. Os números mostram também que as crianças de seis meses a um ano atingiram 54% da meta, e as crianças de um ano a menores de cinco anos atingiram 48%. Segundo Fahim, as mamães dos bairros Abadia, Tutunas e Bairro de Lourdes estão levando os seus filhos para vacinar, mas nos bairros Parque do Mirante, Elza Amuí, Recreio dos Bandeirantes e São Cristóvão a média de vacinação ainda está baixa e as mamães precisam ficar atentas.

Em Uberaba, todas as unidades de saúde, menos as UPAs (Unidades de Pronto Atendimento), irão vacinar das 08h00 às 17h00. É importante lembrar que é necessário que as mães levem as carteiras de vacinação dos filhos para que os cartões possam ser atualizados.

Não há contra indicações absolutas na aplicação da vacina oral da poliomielite, evitando-se, entretanto, a vacinação de crianças portadoras de infecções agudas, com febre acima de 38ºC; com hipersensibilidade conhecida a algum componente, a exemplo da Estreptomicina ou Eritromicina; crianças que, no passado, tenham apresentado qualquer reação anormal a esta vacina; crianças imunologicamente deficientes devido a tratamento com imunossupressores ou de outra forma adquirida ou com deficiência imunológica congênita; crianças com história de paralisia flácida associada à vacina, após dose anterior da vacina poliomielite oral.