Polícia

Acidentes de trânsito deixam, por mês, 16 crianças mineiras com sequelas

A cada mês, ao menos 16 crianças menores de 7 anos ficam com sequelas permanentes em decorrência de acidentes de trânsito em Minas. De janeiro a setembro foram 149 casos, de um total de 240 meninos e meninas vítimas de desastres. Desses, 47 morreram.
Os números fazem parte de um levantamento realizado pela Seguradora Líder, administradora do seguro DPVAT. Como a pesquisa aponta apenas os mineiros indenizados por ocorrências de trânsito, a quantidade de mortos e feridos pode ser maior.
Mesmo assim, as estatísticas chamam a atenção na semana em que um garotinho de 6 anos foi encontrado com vida após sofrer um acidente na BR-050, em Araguari, no Triângulo. O menino passou dois dias dentro do veículo que caiu em um buraco, ao lado dos corpos dos pais e do irmão de 8 anos. A família seguia para Campinas (SP).
A polícia investiga se um segundo carro envolveu-se na batida e o que teria motivado a colisão.

Consequências – Ainda não se sabe como o garoto conseguiu escapar da tragédia. Acidentes do tipo, conforme especialistas, são a principal causa de mortes de crianças, uma vez que elas são mais frágeis. Quando sobrevivem, podem ter sequelas irreversíveis, como perda de pernas ou do movimento das mãos e da visão, dentre outros.
Os danos, em muitas ocasiões, podem ser também psicológicos. “Esse menino que sobreviveu ao acidente que matou toda a sua família provavelmente terá a marca da insegurança e do medo por muito tempo”, frisa a coordenadora de Educação para o Trânsito do Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DEER), psicóloga Rosely Fantoni.

Imprudência – O transporte de forma errada de crianças nos carros é apontado pela especialista como um dos principais fatores para a quantidade de óbitos. Segundo ela, é comum, durante blitze, constatar muitas crianças no banco da frente, sendo que deveriam estar no bebê conforto, cadeirinha ou assento de elevação. “Há casos em que há a cadeirinha, mas a criança anda fora dela. Os pais alegam que é por causa do choro ou dificuldades de se adaptarem, mas estão sendo coniventes com um enorme risco”, diz Rosely.
A especialista destaca, ainda, que a maioria das ocorrências é provocada por irresponsabilidade do condutor, como consumo de álcool, excesso de velocidade e falta de respeito com a sinalização. “O adequado seria dizer que os pequenos estão morrendo por imprudência dos adultos”.
A pé – Nas ruas, o comportamento das crianças como pedestres também precisa ser observado, ressalta Rosely Fantoni. “A criança tem estatura menor e, muitas vezes, não é vista pelos carros, por isso corre mais risco. Daí a enorme importância dos pais darem o exemplo correto. A educação para o trânsito começa em casa e é consolidada na escola”, conclui.

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.