Política

Affemg e Sindifisco pedem apoio em busca de recursos da Lei Kandir

O prefeito Paulo Piau recebeu o diretor regional da Associação dos Funcionários Fiscais de Minas Gerais (Affemg), Edson Martins de Oliveira. A categoria no Brasil busca o apoio dos Municípios pela revisão da Lei Kandir (Lei Complementar 87/96). Tal lei retirou o Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) das exportações de produtos primários e semielaborados.
De acordo Edson Oliveira, com a Lei, estados e municípios deveriam receber 25% do tributo estadual, porém isto não aconteceu e a perda acumulada em Minas Gerais ultrapassa a R$ 34 bilhões. Ele explica que diante da negligência a partir do privilégio tributário evidente, o Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Estadual de Minas Gerais (Sindifisco) e a Affemg se juntaram para liderar frente de trabalho. A intenção é que o Governo Federal cumpra a Lei Kandir e repasse aos municípios, o que lhes é de direito.
Segundo o líder classista, e m Uberaba já são R$ 747 milhões que deixaram de ser recolhidos. Diz ainda que a cidade é a sexta cidade mineira que mais perdeu ao longo desses 23 anos. “Por isso estamos pedindo o envolvimento dos prefeitos de todo o estado para que seja devolvido o que é devido. Vamos pedir o apoio dos parlamentares também para que o repasse seja cumprido”, explica.

Desoneração prejudicial – Piau reconhece o empenho da associação e do sindicato e concorda que os valores impactam negativamente na economia local com a desoneração. “O Governo isentou de ICMS os produtos exportados, mas a compensação não existiu”, explicou o prefeito. Ele considera o movimento importante e hipotecou apoio na busca pela regularização e fim da defasagem financeira observada.
Encerrada a primeira etapa da mobilização, as entidades pretendem levar ao Governo Federal a reivindicação da quitação da dívida.

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.