Cidade

Alergia medicamentosa apresenta riscos à saúde

O especialista em Alergia e Imunologia, Frederico Zago, alerta para o risco da alergia desencadear a Síndrome de Stevens-Johnson e a Necrólise Epidérmica Tóxica (NET)

Dados da Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia (Asbai) apontam que cerca de 12% da população têm alergia a algum tipo de medicamento. Os analgésicos e os anti-inflamatórios respondem por 40% dos casos. Além deles, anticonvulsivantes, colírios e pomadas ocupam o ranking. “A alergia medicamentosa tem reação imediata, desencadeando quadros de rinite, asma, urticária, angioedema. Essas reações podem atingir pálpebras e lábios e provocar até mesmo a anafilaxia, que é reação alérgica aguda e grave que, se não socorrida prontamente, pode ser fatal”, explica o infectologista, especialista em Alergia e Imunologia, Frederico Zago.
O especialista esclarece que quando o corpo entra em contato o medicamento, os anticorpos alertam as células, que liberam substâncias químicas para combatê-lo, ocasionando as crises alérgicas. “Essas reações alérgicas podem ocorrer imediatamente após a administração da droga ou ainda de forma tardia, manifestando-se após 48 horas da aplicação do medicamento”, distingue Frederico.
São sinais de alerta febre, vermelhidão no corpo, palidez e arroxeamento dos lábios, falta de ar, entupimento nasal, diarreia, queda de pressão, dor no peito, vômito e dores abdominais, erupções na pele, vasculite, anemia hemolítica.
Frederico ressalta que a alergia medicamentosa pode desencadear doenças como a Síndrome de Stevens-Johnson e a Necrólise Epidérmica Tóxica (NET), que provocam erupções cutâneas, descamação da pele e bolhas nas membranas mucosas podendo, inclusive, levar o paciente à morte. “O paciente deve estar atento aos sinais do seu corpo, comunicar o médico sobre as alterações e jamais se automedicar”, finaliza o especialista.

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.