DestaqueEsportes

As armas de América-MG, Chape, Flu, Sport e Vasco contra a degola

Cinco times entram em campo no domingo lutando contra o rebaixamento na última rodada do Campeonato Brasileiro: Fluminense, Vasco, Chapecoense, América-MG e Sport. Com números do matemático Tristão Garcia, do site Infobola, a equipe do Espião Estatístico mostra como as equipes chegam para o fechamento do Brasileirão. Todos os confrontos de hoje serão às 17h.

América-MG – O Coelho, que enfrenta o Fluminense, é o time mais ameaçado, com 77% de chances de ser rebaixado. Para se manter na Série A, o time comandado por Givanildo Oliveira aposta no centroavante Rafael Moura, responsável por sete gols e três assistênciasno Brasileiro, com participação direta em 33% dos tentos do clube na competição. Outra arma da equipe que tem o segundo pior ataque da competição é a jogada aérea: 11 dos 30 gols (37%) foram assim.

Sport – O Leão é o terceiro pior mandante do Brasileiro (50% de aproveitamento), à frente apenas de Vitória (46%) e Paraná (33%). Uma esperança para o Sport contra o Santos na Ilha do Retiro é uma boa atuação do meia-atacante Gabriel, que tem cinco gols e duas assistências na competição (21% de participação nos gols do time). E assim como o América, o Rubro-Negro costuma se dar bem em jogadas pelo alto: 18 dos 33 gols da equipe na competição foram a partir de jogadas aéreas (54%). Segundo o site Infobola, o risco de rebaixamento do Leão é de 67%.

Chapecoense – A Chape depende dela mesmo, com 34% de risco de rebaixamento. Para vencer o São Paulo na Arena Condá, o time comandado por Claudinei Oliveira aposta na bola parada e no centroavante Leandro Pereira. A equipe marcou 16 dos seus 33 gols a partir de jogadas de bola parada (lateral aéreo, falta levantada, escanteio, falta direta ou pênalti): 48%. E o artilheiro da Chapecoense no Brasileiro, Leandro Pereira, marcou cinco dos seus 10 gols desta maneira (dois de pênalti, dois depois de escanteio e um depois de falta levantada).

Vasco – O time de São Januário também depende só dele para se livrar do rebaixamento, se empatar se garante na Série A e tem 17% de chances de cair. Por outro lado, só tem uma vitória fora de casa, que não foi fora do Rio de Janeiro (Fluminense 0 x 1 Vasco – 32ª rodada), e o jogo contra o Ceará será no Castelão.
Para acabar com esse jejum longe da Cidade Maravilhosa e espantar o fantasma da Série B, a arma do ataque vascaíno é o argentino Maxi López. Mesmo disputando apenas 18 jogos neste Brasileiro, ele marcou sete gols e deu seis assistências, com participação direta em 33% dos gols do time.

Fluminense – O Fluminense é a equipe com menos risco de cair: 5%. Porém, o ataque tem sido um problema: o último gol no Brasileirão foi há mais de um mês (na vitória por 1 a 0 sobe o Atlético-MG). O time acabou de ser eliminado na semifinal da Sul-Americana e decidiu trocar de treinador a três dias do jogo com o América-MG: sai Marcelo Oliveira e entra o interino Fábio Moreno.
Para voltar a balançar a rede e se garantir na Primeira Divisão, o caminho pode ser pelo alto: 55% dos gols foram a partir de jogadas aéreas (17 de 31). Outra opção é dar a bola para Everaldo, que tem um gol e seis assistências no Brasileiro.

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.