Social

BRINCADEIRAS DE CRIANÇA

Reflexão

Nós, os mais velhos sempre usamos o chavão ao reportarmos a infância:
“Ah, meus tempos de criança! ” Toda casa tinha seu quintal de frutas e hortaliças colhidas à hora e sem agrotóxicos. Brincava-se na rua sem assaltos, subia-se nos pés de manga e de goiaba, comia-as com sal. Os pais sabiam que a rua era lugar seguro e as casas sempre abertas, mantinham as luzes acesas até que a noite bem calma, trazia o sono tranquilo à petizada. Os gritos de fora não amedrontavam. As cadeiras na calçada cantadas pelo poeta eram convites às comadres repassando mais uma receita de guloseima.
As feridas em joelhos “desfolados”, curadas com mertiolate. Brincadeiras sadias enchiam o tempo e desenvolvia a criatividade das crianças. Não havia booling, a vida corria límpida e serena.
Hoje, o mundo avança para o terror. As casas protegidas com grades nas janelas. O portão eletrônico das garagens são peças, que através de um “abrete Sésamo” põe à mostra o caminho da facilidade para os furtos e ameaças de bandidos profissionais induzidos ao erro pela constância das ações repetidas do raiar do dia ao anoitecer.
Nem as escolas são isentas de perigo. As tecnologias avançaram no tempo e no espaço deixando para traz os aquaplay, as bonecas, as locomotivas sobre trilhos, os pega peixes, os vídeo games, a peteca e as bolas de meia, as cirandas, o pique de esconder, o pisca pisca, que faziam o sonho da garotada.
Os brinquedos são outros. A tecnologia avança seguindo a modernidade arrastando para mais longe a criatividade infantil e induz para uma competitividade de brinquedos, que podem levar à destruição da vida com páginas ilustradas ensinando brincadeiras expostas ao perigo.
Brincam de se “enforcarem” contando tempo de quem mais suporta o laço, como há tempo, adolescente de treze anos para ser o campeão do tempo contado, teve morte súbita. Nas redes sociais, também inventaram que, depois do laço, há o soco na altura do coração até que o “modelo” desmaie. Aí os “doutorezinhos” procuram ressuscitá-lo com tapas no rosto e outros golpes em meio a risos de vitórias. O que mais vimos é a derrocada da sensibilidade. Fatos hediondos, armas de verdade empunhadas por adolescentes, que se misturam ao tráfico de drogas.
Há esforço no resgate às brincadeiras de outrora e advindo tais ações da Escola policiando no recreio o que a maioria dos pais, por omissão ou falta de tempo, porque se desdobram no trabalho a que a crise os obriga, não observam em casa quando os fi lhos fechados em seu quartinho, ficam horas nos jogos perigosos, que a Internet coloca despertando sentimentos negativos…
Não vamos julgar tais procedimentos avançados. A corrida desse mundo às avessas vem pintando de negro os acontecimentos. Os homens do poder querem fazer do poder sua arma de destruição. E ensinam até crianças, em países do outro lado do mundo, a manusear armas matando irmãos. A fome e as doenças se alastram, porque até os remédios que alardeiam como meios de cura trazem efeitos colaterais surgindo novos males e tornando-nos “escravos” dos laboratórios.
As guerras pintam de negro, a ambição, longe de mostrar histórias bem -acabadas em exemplares manifestações. Só se vê tristeza num mundo que prega a paz, mas não a pratica. O que restará à geração de nossos netos?
Até quando os brinquedos “esconde-esconde” da verdadeira face triunfarão sobre a verdade cada dia tornados irrelevantes ante universo de pregações mafiosas de atentados terroristas?

 

Arahilda Gomes Alves – Cadeira 33 ALTM; membro Academia Poetas Portugueses e Academia Letras e Artes Portugal; cônsul Poetas Del Mundo; Academia Internacional do Brasil; diretora cofundadora Fórum Articulistas de Uberaba e Região. Partícipe Rede Sem Fronteiras; sócia Poemas à Flor da Pele.

Escreve crônicas no JU desde 1993.

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja Também

Fechar