DestaquePolítica

Candidatos trocam acusações no primeiro debate do segundo turno

O primeiro debate do segundo turno entre os candidatos ao governo de Minas foi marcado pelos ataques e trocas de acusações entre o empresário Romeu Zema (Novo) e o senador Antonio Anastasia (PSDB). O tucano chamou para si a responsabilidade sobre a campanha ao responder questionamento de Zema sobre suposta participação de Aécio Neves e sua irmã Andréa Neves na coordenação. O empresário citou supostas “fake news” divulgadas nas redes sociais pela campanha do PSDB. Anastasia rebateu afirmou que Zema se mostra “despreparado” para assumir o Palácio da Liberdade e que é o único responsável pela sua campanha. O debate aconteceu na última quinta-feira (18) e foi transmitido pela Bandeirantes.
O tom ofensivo entre os candidatos começou logo no início do encontro. O senador citou uma entrevista de Zema do ano passado em que ele dizia se considerar despreparado para assumir o governo estadual. O tucano ressaltou que Zema “não tem experiência” e que “precisa estudar mais” questões ligadas às atividades do legislativo e da administração pública.
Zema contra-atacou, criticando as administrações do PT e do PSDB no governo estadual e defendeu a necessidade de novas propostas para que o estado supere a crise fiscal. “Os mesmos políticos de sempre não serão capazes de resolver os problemas que eles criaram. Precisamos de pessoas novas. Em Minas, dois grupos governaram o estado por mais de 20 anos e o resultado é a situação deplorável que vemos hoje”, disse o empresário.
Ao discutirem propostas de redução da máquina pública (defendida pelos dois candidatos), Zema afirmou que Anastasia, quando governador, fez exatamente o contrário do que tem prometido em sua campanha. “Em 2011 ele criou secretarias e cargos, aumentou o cabide de emprego”, disse Zema. Anastasia rebateu dizendo que Zema não conhece a história administrativa do estado.
Zema afirmou que sua candidatura representa a mudança em relação à velha política e que, “ao contrário dos velhos políticos”, tem humildade para rever propostas de seu plano de governo que não se mostraram viáveis. Anastasia afirmou que Zema é um candidato “errante”. “Seu programa diz A, ele diz B e depois no debate ele diz C. É triste entregar Minas Gerais a uma pessoa que a cada momento tem uma opinião”, disse o tucano.
Os candidatos voltaram a trocar alfinetadas ao falar sobre a possibilidade de privatização de estatais como a Cemig e a Copasa. “No seu plano está prevista a privatização das estatais, como dos serviços de saúde e educação. A proposta é essa ou mudou de posição novamente?”, questionou Anastasia. “Nós revisamos essa posição. Entendemos que essas importantes empresas, principalmente Copasa e Cemig, têm sido vítimas de uma gestão que as depreciou bastante. Privatizá-las agora seria um péssimo negócio para o estado”, respondeu Zema.
Ao discutirem os problemas da Fundação Ezequiel Dias (Funed), Anastasia ironizou que Zema admitiu em entrevista não conhecer a entidade. “O candidato estudou bem de ontem para hoje. Porque em entrevista ele não conhecida nada sobre a Funed. Isso é positivo”, disse o tucano. “Realmente eu não conhecia a Funed. Estou gradativamente conhecendo muitas coisas. Mas o problema que fica claro é que a Funed se tornou um cabide de empregos e a fábrica que até hoje não produziu os medicamentos é um exemplo do desperdício do dinheiro público”, avaliou Zema.
Tanto Zema quanto Anastasia apontaram como prioridade colocar os salários dos servidores em dia. O candidato do Novo afirmou que, caso eleito, ele e seus secretários não receberão salário até que o salário de todos os servidores esteja em dia. O candidato do PSDB afirmou que, como servidor público que depende de seus vencimentos, não poderia abrir mão do salário: “Não sou milionário como o senhor”, disse Anastasia.

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.