Esportes

CBF nega pedido por VAR para últimas rodadas

A CBF negou o pedido do Inter para utilizar o árbitro de vídeo nas seis rodadas finais do Brasileirão. Após reunião realizada na sede da entidade, ontem, o presidente Marcelo Medeiros confirmou para o programa Seleção, do SporTV, a negativa. Ao mesmo tempo, o dirigente colorado disse que a proposta “foi bem recebida” para ser implementada em um futuro próximo.
Medeiros levou para a CBF a assinatura de outros 14 clubes brasileiros favoráveis ao pleito. Após a partida contra o Atlético-PR, o vice de futebol Roberto Melo disse ter o apoio de outros 18 clubes, mas três clubes não assinaram o documento a tempo e outros dois foram contra – o clube gaúcho não revela quais por “questões éticas”. Conforme o dirigente, a CBF alegou dificuldades técnicas para implementar a tecnologia em todos os jogos da reta final da competição.
“(A CBF) Não vai acatar. A proposta foi muito bem recebida, mas a entidade vê dificuldade técnica na implantação do VAR em todas as rodadas nesse momento. A CBF recebe a manifestação e ficou de estudar para que a gente possa dar um passo nesse sentido em um futuro próximo”, explicou Medeiros ao SporTV.
A direção do Inter levantou a bandeira pelo VAR após o empate em 1 a 1 com o Vasco, pela 31ª rodada do Brasileirão. A partida foi marcada por um pênalti polêmico em Kelvin, convertido por Maxi López. No jogo anterior, empate em 2 a 2 com o Santos, os colorados reclamaram da demora de Ricardo Marques Ribeiro, que levou cinco minutos entre conversas com seus assistentes para assinalar impedimento e anular gol de Leandro Damião. Contra o Atlético-PR, nova polêmica, desta vez a favor do Inter, em pênalti assinalado sobre Rossi, já no final do jogo.

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.