CidadeDestaque

Cohagra vai à Justiça contra o BB para retomar unidades

A Companhia Habitacional do Vale do Rio Grande (Cohagra) quer do Banco do Brasil (BB) o mesmo comportamento da Caixa Econômica, no que se refere à promoção de distratos junto a beneficiados de financiamento habitacional popular que não habitam os imóveis. Ante a dificuldade, a Cohagra propôs ação cominatória de obrigação de fazer com pedido de antecipação de tutela em caráter de urgência contra a instituição financeira. Os autos passam a tramitar na junto à 1ª Vara Cível da Comarca, presidida pelo juiz Fabiano Rubinger.
O presidente da sociedade de capital misto, Marcos Jammal, explica que foi executada fiscalização e para os casos verificados de descumprimento da finalidade social do imóvel, os agentes financeiros foram contatados. Junto à Caixa, as situações têm sido resolvidas com celeridade. Junto ao Banco do Brasil, dificuldades vem sendo encontradas para a solução dos casos referentes a cerca de 40 unidades habitacionais no Residencial Rio de Janeiro – Módulos A e C – que precisam ser retomadas.
Ante ao quadro, casas que deveriam estar ocupadas pelos mutuários, mas estão vazias já tem sido objeto de invasões e danos, ou foram transformadas em objeto de negócios (aluguel e venda), enquanto várias famílias, muitas em situação de vulnerabilidade, aguardam ser contempladas com a casa própria. O processo visa a obrigar ao Banco do Brasil ao cancelamento imediato dos contratos das unidades não habitadas para que sejam repassadas a novas famílias.
A Cohagra é responsável pela gestão habitacional do Município, de forma que todos os empreendimentos habitacionais onde há aplicação de recursos públicos, sobretudo federais, encontram-se sob sua análise. Conforme constam nos autos, a legislação relativa ao Programa Minha Casa Minha Vida é taxativa no sentido de apenas beneficiar quem realmente precisa de uma moradia popular. “Como se não bastasse à rigorosidade empregada por esta Companhia na comprovação da real necessidade, muitas pessoas agindo de má-fé conseguem driblar o sistema, visando lucro indevido com a venda do imóvel após aquisição, ou aluguel para constituição de renda, tirando de 3.710 famílias que estão na fila para receber a casa, o sonho da moradia”, consta a Cohagra na inicial.
Embora não seja sua função por lei ou contrato, a Cohagra tem fiscalizado a utilização social das unidades. O Ministério Público, por seu turno, recomendou que ela procedesse às fiscalizações, a fim de verificar quem de fato está residindo no imóvel ou dando destinação diversa à moradia própria. Cita a inicial que o Banco do Brasil mantém-se é totalmente inerte, diante de ofícios informando os casos irregulares.
A demanda da Cohagra ao exigir a obrigação de fazer por parte do Banco do Brasil encontra amparo na Lei 11.977/09 que instituiu o Programa Minha Casa Minha Vida (PMCMV) a qual prevê em seu artigo 7º que a não ocupação – justificável ou não, no prazo de 30 dias impõe a rescisão contratual: “Os beneficiários de operações do PMCMV, com recursos advindos da integralização de cotas no FAR, obrigam-se a ocupar os imóveis adquiridos, em até trinta dias, a contar da assinatura do contrato de compra e venda com cláusula de alienação fiduciária em garantia, firmado com o FAR. (Incluído pela Lei nº 13.465, de 2017)”. O Parágrafo Único reza que descumprido o prazo fica o FAR automaticamente autorizado a declarar o contrato resolvido e a alienar o imóvel a beneficiário diverso, a ser indicado conforme a Política Nacional de Habitação.
A petição inicial da Cohagra ressalta que “[…] sempre que o Poder Público se omitir de praticar a fiscalização restará conivente com ato de pessoas que visam ludibriar esse mesmo poder, enganar e usurpar o direito de quem realmente precisa”.

Tutela antecipada – A necessidade de concessão liminar é justificada ao grande número de famílias em situação de vulnerabilidade aguardando casa própria, enquanto muitas unidades estão abandonadas ou alugadas. Assim, pretende-se em caráter de urgência que o Judiciário obrigue o Banco do Brasil a rescindir de imediato os contratos em questão e que sendo cumprida a tutela que seja fixada multa diária, por descumprimento da ordem judicial. Por fim, pede a Cohagra a condenação do réu na obrigação de fazer consubstanciada na rescisão dos contratos de forma definitiva.

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.