ColunasReflexões

Estação outonal de cada um

Há grande similitude entre as estações do ano e as etapas da vida como se fora uma cumplicidade atrelada ao tempo. A primeira etapa é a primavera de sonhos, um acordar como se o tempo fosse eternamente vivido em fase áurea de aconchegos, alegrias e risos. Interminável e sem preocupações, um roseiral a florescer intermitente jogando perfumes, acolhedora brisa e sem quaisquer perturbações a empanar o brilho de um viver despretensioso e inocente desconhecendo decepções.O verão traz o calor, girassóis a apontar o sol radioso, céu e mar, lua e estrelas, reforços brilhantes de um viver pleno de luz, amadurecimento equilibrado de um transbordar de vida, campos verdejantes, árvores acolhedoras, sementes germinativas, paisagem esperança. Passos destemidos de um alcançar facilmente terra firme, de um abraçar o mundo corajosamente. A terceira etapa sazonal anuncia os primeiros sinais de paisagem a perder o viço da estação primaveral. Frutos maduros correndo contra o tempo implacável com podas e enxertos, adubação constante policiando o tempo de muitas chuvas e devastadoras secas. Horizontes perdidos na imensidão de extenuante estrada. Relicário de imagens lembranças, esquecimentos, retorno de um passado sem muito presente.
Fase de enfraquecimento dos sentidos pouco sentidos e de mágoas profundas de um não fazer e querer voltar para um fazer muito mais e melhor com a experiência dos dias outonais. Estação outonal onde a idade toma corpo e por força da espécie humana procuram humanizá-la com nomes éticos de meia idade, melhor idade na ocultação do termo ferino de velhice, tão rabugento, quanto o nome. Derrame da cruel realidade, repositório de preconceitos e abandonos. Solidão na grande parte de um espaço a não deixar tão espaçoso para essa etapa de vida, que muitos consideram-na -a melhor. E realmente o é. O coração bate forte, mesmo descompassado, os sentimentos se apuram sem eclodir em paixões.As folhas do tempo amarelecidas e desbotadas, ás vezes, pisoteadas pelo tempo escancarado da realidade retomam o passado nutritivo de experiências alentando a verde folhagem, brotos saudáveis de seiva trabalhada pelas que já as afagaram, um dia.
O outono de tantos frutos pendentes acusa o mais nobre dos sentimentos – o da amizade- colhido desde as outras estações: o da primeira professora, dos colegas de sala,dos companheiros da Faculdade,dos mestres sábios e nunca pedantes,dos amigos de uma comunidade,dos companheiros de ideal e que nos tornam gratos e sempre lembrados.Infelizmente,fixa,também, os desafetos,os que jogaram mal querenças,os falsos amigos e os invejosos.Mas o tempo escasso fazem dos sentimentos negativos sentimento de pesar pelos que não souberam ser amigos. Os créditos escasseiam com a chegada do inverno-frio, gelado, carente. Carente de afetos, de tempo, espectador de pesadelos.Tempo de vigília da morte que espreita, do vento que sopra gelado, das mortalhas que procuram ilusoriamente aquecer.Afago do descanso eterno, visão de um mundo onde todos se encontram para um novo e merecido amanhã. E a vida em ciclo, recomeça…

Arahilda Gomes Alves – Cadeira 33 ALTM; membro Academia Poetas Portugueses e Academia Letras e Artes Portugal; cônsul Poetas Del Mundo; Academia Internacional do Brasil; diretora cofundadora Fórum Articulistas de Uberaba e Região. Partícipe Rede Sem Fronteiras; sócia Poemas à Flor da Pele. Escreve crônicas no JU desde 1993.

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.