Cidade

Estão abertas as oficinas de parentalidade na UFTM

Famílias em processo de divórcio ou dissolução da união estável podem participar das oficinas de parentalidade oferecidas pelo projeto de extensão da UFTM, em parceria com o Ministério Público e a Uniube. O próximo encontro acontece no dia 13 de abril, nas salas T01, 02, 03, 06, 07, 10 do Centro Educacional da UFTM. As Varas de Família da comarca de Uberaba convidam as famílias a participarem das oficinas, mas os interessados não precisam se inscrever, basta ir até o local, um pouco antes do horário do atendimento.
O objetivo do projeto é atender com um viés pedagógico e não terapêutico, transmitindo técnicas apropriadas de comunicação na família, ensinamentos a respeito das consequências que os conflitos proporcionam aos filhos e informações legais sobre alienação parental, guarda, visitas e alimentos. Busca-se auxiliar os pais e os filhos (adolescentes e crianças) no enfrentamento desses processos e suas consequências.
As oficinas de parentalidade acontecem uma vez por mês, com duração de 4 horas e conta com público diferente a cada encontro. Os encontros ocorrem aos sábados, das 14 horas às 18 horas. Há uma oficina voltada para crianças de 6 a 11 anos de idade, outra para adolescentes de 12 a 17 anos de idade e duas direcionadas aos pais (o ex-casal é alocado em oficinas diferentes). Cada oficina é coordenada por dois instrutores previamente capacitados e o material utilizado é cedido pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).
O projeto visa apoiar as famílias a entenderem o que ocorre com as crianças e os adolescentes após a separação e, a partir disto, organizarem-se para colocar em prática mudanças eficientes para o bom entendimento familiar. Busca-se, dessa forma, instrumentalizar tais famílias para um menor dano emocional a todos os envolvidos, em um viés educacional e preventivo. O projeto de extensão é coordenado pela professora Luciana Maria da Silva, do departamento de Saúde Coletiva da UFTM.

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.