Fabiana SilborSocial

Fabiana Silbor

Bem vindo!
Bem vinda.

E a gente só reclama, mas a vida segue forte, leal e, insana.
Gostaria de mais carinhos sem troca.
De uma sociedade menos hipócrita.
Afinal, ninguém vive muito tempo na desilusão.
Melhoremos.

Na veia
Bichanos, também, podem doar sangue. Os gatos que salvam vidas são levados pelos donos nas clínicas que tem bancos para armazenamento das bolsas. Muita gente nem pensa nisso. Mas os animais que são operados podem necessitar de transfusões. Algumas práticas sociais estão longe de serem compreendidas de maneira natural. Tem dono que mal consegue manter em dia as vacinas imprescindíveis para a saúde do bicho. E sem políticas públicas e fiscalizações competentes, a ‘Zebulândia’ segue sem um programa de educação e controle para evitar o abandono e as múltiplas maldades humanas contra os seres que deveriam ser de estimação.

Só na prestação
As novidades que brilharam no salão do automóvel repleto de inovações vão demorar muito para chegar à vida real dos brasileiros. Enquanto garagens e concessionárias diversificam para sobreviver a pouca procura pelos veículos, os consumidores transitam em possantes cujas boletas estão fazendo volume nas gavetas. Mas em terra de vitrine consciência é artigo raro.

Bebê na moda
Os cuidados com os cabelos dos pequenos já é moda há muito tempo em Uberaba. Empresas especializadas atendem com exclusividade clientes a partir dos primeiros meses de vida. A novidade é que salões, até então com foco nos adultos, resolveram investir em segmentos infantis e manter pais e filhos na fidelização. A cidade se tornou referência em venda de móveis para esses estabelecimentos e a customização com cadeiras que parecem brinquedos chama a atenção e promovem lucros para os especialistas criativos. Bom negócio.

Certezas para 2019
Você sabia que o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores, recolhido pela Secretária de Fazenda, deveria ter metade do valor recolhido repassado para os municípios que registraram os veículos? Essas cidades deveriam utilizar as verbas para melhoria da mobilidade urbana. A única coisa que com certeza vai acontecer em relação ao IPVA é que o seu chega daqui a pouquinho, desembarcando em 2019. Nem precisa duvidar. Você vai ter que pagar. E juntamente com esse, outros impostos vão desembarcar na sua linda vida de brasileiro sonhador.

Vida longa às máquinas
O desenvolvimento tecnológico caminha apressado e certeiro. A inovação tem sido resposta precisa para novos modos de fazer coisas que antigamente só poderiam ser processadas com mão de obra humana. E assim estudiosos de postos de trabalho se transformaram em anunciantes do óbvio: nos próximos anos o desemprego vai crescer. Especialistas que participaram o Fórum Econômico Mundial chamam a época que já começou de quarta revolução industrial. Depois de pesquisarem 371 empresas em 15 países eles concluíram que a tecnologia já está moldando a mudança e vagas tradicionais de emprego serão substituídas e outras, extintas.

Reformas ignoradas
Há anos, numa pauta desprezada, mofam em repartições sinistras, as altruístas ideias paridas, após gestações intelectuais grandiosas. Permanecem no esquecimento de reformas, que clamam por gestores públicos competentes, mas só se apossam os possuídos pelo desinteresse premeditado e os destinados ao ‘desprogresso’ ético. O fracasso reforça a programação de eleitores, que permanecem analfabetos funcionais, com tudo de necessário para nutrir o poder, feliz pela manipulação das massas. A esquizofrenia de um mercado, que pede profissionais preparados e experientes, mas recebem seus concursados, filhos da ditadura cultural, dos conceitos decorados em dias e noites de ilusões parcas, em busca das garantias, da estabilidade, da submissão a um modelo que nunca funcionou para a evolução de nada, nem ninguém.

Ouro verde
As Usinas de cana que dominaram a arte de transformar bagaço em energia comemoram a sustentabilidade diante dos gigantescos valores cobrados de outras empresas que, ainda, não conseguiram programações de utilizações de seus próprios recursos. Assim, algumas, até vendem as sobras e lucram com um negócio que transforma pé de cana em dinheiro e faz do meio ambiente um lugar cada dia mais difícil de sobreviver. Mas a força da monocultura, que faz parte da história desse país verde amarelo, permanecerá por um bom tempo sem renovações ou projetos verdadeiros que recomponham os excessos passados… Enquanto isso, o meio ambiente…

Receitinha
A dica do domingo é para quem anda correndo (literalmente) a favor do tempo e do verão. Essa saladinha levinha combina camarões, gengibre, pimenta do reino branca e peras! ‘Hummm’… E mais um suquinho de limão para temperar a vida de quem mantém a forma. No meu caso enquanto escrevo e motivo sua dieta aproveito para comer um delicioso prato de macarrão. Brincadeirinha!

Crianças sem limite
Com pais cada vez mais desconectados dos filhos e filhos cada vez mais conectados na vastidão de possibilidades absurdas da internet a pergunta que nunca cala é o que vamos ter daqui a 20 anos? Essa sociedade, de todos os tempos, é a mais frouxa na formação das novas gerações. Na benção insana do relativismo vamos construindo um futuro sem valores. Essa coisa de aproveitar a vida sem responsabilidade compartilhada virou sinônimo de abusar do agora porque pode ser que não haja amanhã. E se houver? As pessoas deveriam levantar e pensar o contrário. Assim: Vou fazer o melhor porque tenho um futuro e vou colher o que ando plantando. É tão literal isso. A história pessoal é parte do coletivo, gente!

Sentido
“Timing”. Essa palavra poderia ser o nome de alguém. Ainda, um prato de guloseimas. Mas, trata-se de um estrangeirismo soberbo para declarar tudo que a gente precisa. Estar na hora certa, no lugar certo, com a capacidade certa para fazer a diferença é um “trem” que acontece poucas vezes nessa vida. Os ancestrais filosóficos diziam que ócio criativo permitia melhores “insights”. Descobrir ou perceber o que antes você não conseguia ver é um presente.

Molhando o broto de gente
Um moço disse esses dias, que quando chove o mundo fica mais calmo. Menos coisas ruins acontecem. Talvez seja porque a água que vem da nuvem promova uma preguiça protegida. Andamos tão amedrontados e violentos. Quem sabe o tamborilar da goteira seja mantra para nossas mentes enlouquecidas pelo excesso de dizeres calados na boca, mas gritantes na mente. Pode ser que os pingos empoçados na rua, também, façam poças nos nossos sentimentos e a gente molhado de sentimentos renove as generosidades e respeite as esperanças. Podia, então, chover para sempre. Porque andamos carentes de coisas boas. De gente decente. De quem quer bem pelo fato de ser bom, simplesmente.

É destino: tentarão tirar o ‘ser’ do humano.
O poder, sempre, buscou esmagar as mudanças evolutivas das pessoas.
A ode de progresso das estruturas é a manipulação de maior poder de distração em voga.
Apologia ao ‘ter’ e aos investimentos na cultura capitalista favorecem o controle.
Quando os valores renascem e as pessoas se nutrem de entendimentos armam-se contra.
Estamos há tempos, há todo o tempo, em batalhas, íntimas, exteriorizadas coletivamente.
Os desafios ficam concentrados num redemoinho, e picuinhas providenciais.
O guerrear dos povos é uma estratégia eficiente para o avanço sorrateiro dos cruéis.
O mal sempre está de plantão, e justifica suas ‘crescentes’ amparado na carência do povo.
E o que preocupa: o que andam deixando entrar na alma…
Você está preparado para isso? Então avante.
Tenha orgulho da sua história. Que seja de legados.

Respeitem as cicatrizes do coração.
São mapas das resistências ao desamor.
Marcas que desenham as curvas dos erros transitando para o acerto.
Previna a dor de amor e com doses honestas de emoção.
Viva o domingo. Viva!

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja Também

Fechar