Cidade

Fazu lança o Grupo de Estudos e Pesquisas em Pitaya

Professores responsáveis pelo Grupo de Estudos e Pesquisas em Pitaya

A Fazu (Faculdades Associadas de Uberaba) lançou o Grupo de Estudos e Pesquisas em Pitaya (GEPPI) com o objetivo de ampliar o banco de germoplasma da faculdade. O GEPPI visa desenvolver pesquisas relacionadas ao manejo, nutrição e fitossanidade da cultura. Os professores responsáveis são: Márcia Borges, Salvador Miziara, Saulo Cardoso e Thais Bean. Os interessados em integrar o GEPPI deverão participar da primeira reunião, que acontecerá na próxima terça-feira (9), às 18h, na Sala 4, no campus da Fazu.
Também conhecida como fruta-dragão por causa da sua aparência, a Pitaya está ganhando popularidade no Brasil. A pitaya ou pitaia é um fruto de espécie variada de cactos epífitos que é conhecido, principalmente nos Estados Unidos, como ‘fruta dragão’ por conta do seu exterior escamado.
Nativa da América Central e do México, a fruta pitaya vem sendo cultivada em Israel, na China e aqui no Brasil (mais comum na região Nordeste). Por só ser cultivada a noite, ela está no grupo de “flor da noite”.
A pitaya fruta tem um sabor muito doce e saboroso e vem sendo utilizada na fabricação de vinhos, sucos, chás (com as suas folhas) e principalmente doces. O sorvete da Pitaya, por exemplo, além de ter um sabor atraente, ajuda no emagrecimento e regula o funcionamento do intestino.
No último mês a Fazu recebeu o 1º Encontro Nacional de Produtores de Pitaya. O evento foi promovido pelo Grupo de Produtores de Pitaya, idealizado pelo produtor Sebastião Almeida, e pelo Sindicato Rural de Uberaba. A Fazu apresentou o projeto piloto instalado (16 mudas de pitaya plantadas), a implantação de uma planta da espécie, melhorada geneticamente, já florindo e frutificando e a demonstração das várias formas que a fruta pode ser consumida, além da degustação.

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.