Veículos

Fiat supera 40% de participação em comerciais leves

Marca Fiat cresceu 6 pontos porcentuais nos últimos três anos

Se a disputa pelo segundo lugar do mercado interno de veículos se acirrou com a Fiat crescendo 1,4 ponto porcentual e encostando na Volkswagen no primeiro trimestre, no segmento de comerciais leves ninguém ameaça a hegemonia da marca italiana. Ao contrário, no acumulado até março, a empresa conquistou uma de suas maiores participações desde que inaugurou sua fábrica em Betim (MG), em 1976.
Foram licenciados no período 34 mil picapes e furgões Fiat, 40,9% do total de comerciais leves vendidos no País. Portanto, de cada dez veículos do segmento, quatro ostentavam a logomarca da empresa. A segunda colocada ficou muito, mais muito atrás: a Volkwagen, com 13,7 mil licenciamentos, deteve fatia de 16,5%, seguida da Toyota, com 11,1% das vendas e 9,2 mil veículos emplacados, todos picapes.
Nem mesmo somando ainda os 10,7% da quarta colocada, a GM, a Fiat perderia a liderança para suas concorrentes, que parecem não se importar com esse quadro. Afinal, ele é o mesmo há muito tempo. Em 2018, por exemplo, a Fiat respondeu por 38,6% das vendas do segmento, novamente à frente da VW (17,9%) e da GM (12,2%). No ano anterior, esteve na liderança com 37,5%, diante de 17,2% da VW e 14,3% da GM.
Em 2015, ano em que também liderou pela última vez o mercato total, incluindo automóveis, a marca italiana abocanhou 34,7% dos licenciamentos, novamente muito à frente da Volkswagen (19,5%) e da GM (16%). E desde então sua participação só aumentou, culminando com os mais de 40% do primeiro trimestre de 2019.
Boa parte desses 6 pontos porcentuais conquistados no período se deve à Toro, picape lançada em 2016 que criou um novo segmento e representou vendas quase que totalmente adicionais para a marca. O modelo somou 12,3 mil unidades negociadas de janeiro a março, participação de 28,5% e suficiente para reafirmar a liderança conquistada já em seu primeiro ano de mercado e mantida em 2017 e 2018.
Mas outros produtos Fiat também se destacam. Na verdade, com a Toro, a marca lidera três dos quatro sub-segmentos de comerciais leves: a Strada, com 16,6 mil unidades, responde por 58,8% dos licencimentos de picapes pequenas – é o comercial leve mais vendido do País há anos – , enquanto o Fiorino, derivado do Uno, atingiu 3,9 mil unidades e é praticamente imbatível com 84% dos emplacamentos de furgões pequenos.
A marca só perde a ponta em furgões grandes. Neste caso, o Renault Master domina com mais de 2,1 mil unidades negociadas no primeiro trimestre, 31% do total. Ainda assim, o Fiat Ducato fica no segundo posto, com 15,5% de penetração e pouco mais de 1 mil licenciamentos.
Os atuais números da Fiat só referendam a longa tradição da montadora em comerciais leves. Já no início de sua trajetória aqui, ainda no final dos anos 70, a empresa inovou ao lançar, no País, a primeira picape derivada de um carro de passeio e também um furgão, o Fiorino. Ambos meras versões do pioneiro 147.
Os dois seguiram em linha com o lançamento da família Uno, na primeira metade dos anos 80.
A picape foi substituída na década de 90 pela Strada, membro da família Palio, e o Fiorino até hoje deriva do Uno, mas de sua segunda geração.
O pequeno furgão é um fenômeno. General Motors, Volkswagen e Ford tentaram, ainda que sem grande empenho e até com produtos importados, roubar parte de seu mercado. Nunca conseguiram e, mais do que isso, desistiram.
Hoje são os importados Peugeot Partner, Citroën Berlingo e Renault Kangoo seus únicos concorrentes, mas que ainda assim registraram, somados, 725 licenciamentos no primeiro trimestre, meros 18% do que vendeu o veterano Fiat sozinho.

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.