Política

Gilmar Mendes pede vista e adia julgamento de liberdade de Lula

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), pediu vistas nesta terça-feira do processo que pede a liberdade e revogação da sentença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O caso estava sendo julgado na 2ª Turma do Supremo e também analisava a suspensão das condenações contra o petista feitas pelo ex-juíz Sérgio Moro. Com a medida o julgamento foi adiado sem nova data prevista para ser retomado.
Antes do pedido de vistas feito por Mendes, os ministros Edson Fachin, relator do recurso, e Cármen Lúcia já haviam se posicionado contrários à liberdade do ex-presidente. Com o adiamento ainda faltam os votos do próprio Gilmar Mendes e também de Ricardo Lewandowski e Celso de Mello.
O pedido que estava sendo julgado nesta tarde foi feito pela defesa do ex-presidente Lula, após o anúncio de que Sérgio Moro assumirá o comando do Ministério da Justiça no governo de Jair Bolsonaro, a partir de 1º de janeiro de 2019. No entendimento dos advogados, o ex-juiz – que pediu exoneração para assumir a pasta -, teria agido de forma parcial durante a condução do processo, o que teria sido evidenciado com sua aceitação do cargo de ministro.
Antes mesmo dos ministros começarem a julgar o mérito do pedido feito pela defesa, já houve falta de consenso na corte. Isso porque Lewandowski e Gilmar Mendes defenderam que o julgamento fosse adiado até que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) analise denúncia contra Moro sob o mesmo argumento usado pela defesa de Lula, a parcialidade na condução do julgamento.
Lula está preso desde 7 de abril na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba após ter sua condenação confirmada pelo Tribunal Regional Federal 4ª Região (TRF4), que impôs pena de 12 anos e um mês de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.
Sergio Moro nega qualquer irregularidade em sua conduta e diz que a decisão de participar do futuro governo ocorreu depois de medidas tomadas por ele contra o ex-presidente.
O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) condenou Lula a 12 anos e um mês de prisão no caso do “tríplex do Guarujá”, pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Com base nessa condenação, Lula foi enquadrado na Lei da Ficha Limpa e teve o registro de sua candidatura negado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no dia 1º de setembro.

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.