Economia

Governo bloqueia R$ 29,7 bilhões em gastos no orçamento federal de 2019

O Ministério da Economia anunciou ontem um bloqueio de R$ 29,792 bilhões em gastos no Orçamento de 2019.
Além disso, também baixou de 2,5% para 2,2% a previsão de alta do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano. A expectativa para a inflação oficial, medida pelo IPCA, passou de 4,2% para 3,8% em 2019.
O objetivo do governo, ao bloquear recursos do orçamento federal, é tentar assegurar o cumprimento da meta para contas públicas neste ano – de déficit (resultado negativo) primário de até R$ 139 bilhões.
Esse bloqueio inicial de gastos de R$ 29,7 bilhões representa aumento em relação ao contingenciamento de R$ 16,2 bilhões feito no ano passado.
O secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues Júnior, afirmou que a equipe econômica trabalhará para reverter essa bloqueio no orçamento até o final de 2019.

Eletrobras e blocos de petróleo – De acordo com o secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues Júnior, a equipe econômica retirou da estimativa de receitas para este ano os R$ 12,2 bilhões esperados com a privatização da Eletrobras, mas acrescentou que elas poderão ser reincorporadas mais à frente.
“A retirada das receitas associadas à privatização da Eletrobras foi feita por um princípio prudencial. Voltaremos a considerá-las tão logo tenhamos indícios materiais que a privatização acontecerá nesse ano, e todo esforço está sendo para privatização da Eletrobras em 2019”, declarou.
Ele indicou, ainda, que as receitas com a privatização da Eletrobras poderão ficar acima dos R$ 12,2 bilhões indicados inicialmente. Waldery Júnior avaliou que as indicações de “apetite, bem como a modelagem financeira e societária”, deixam o governo confortável ao fazer essa análise.
Apesar de ter retirado a Eletrobras da expectativa de receitas, o governo incluiu a concessão de blocos de petróleo e gás na previsão de arrecadação para 2019 (+R$ 8,35 bilhões), de concessões de aeroportos (+R$ 2,38 bilhões), e da receita de outorga da usina hidrelétrica de Porto Primavera (+R$ 1,4 bilhão). Ao todo, a expectativa de receitas com concessões subiu R$ 1,292 bilhão.

Receitas e despesas – Para efetuar o bloqueio no orçamento, o governo faz uma reestimativa das receitas e das despesas em relação aos valores aprovados no orçamento do ano passado.
De acordo com os cálculos do Ministério da Economia, houve uma queda de R$ 29,740 bilhões na estimativa de receitas para este ano.
O governo reduziu em R$ 11,160 bilhões a previsão para as receitas administradas neste ano (impostos e contribuições federais); em R$ R$ 6,73 bilhões a expectativa para a arrecadação do INSS; e em R$ 11,615 bilhões a estimativa para receitas de exploração de recursos naturais (reestimativa do preço do barril do petróleo). Mas elevou em R$ 1,292 bilhão a previsão de receitas com concessões.
Após as transferências constitucionais, porém, as receitas do governo apresentaram uma queda um pouco menor: de R$ 26,181 bilhões.
Ao mesmo tempo, o ministério informou que a estimativa, para o ano de 2019, para as despesas, em relação ao orçamento aprovado, subiu em R$ 3,610 bilhões.

Mudança nas estimativas dos principais gastos do governo

Benefícios previdenciários: queda de R$ 6,694 bilhões
Pessoal e encargos sociais: aumento de R$1,215 bilhão
Abono e seguro desemprego: queda de R$ 3,158 bilhões
BPC: queda de R$ 551 milhões
Créditos extraordinários: aumento de R$ 6,525 bilhões
Subsídios e subvenções: aumento de R$ 2,892 bilhões
Obrigatórias com controle de fluxo: aumento de R$ 3,184 bilhões

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.