Política

Governo de Minas revoga 47 demissões do meio ambiente

Servidor de carreira, Germano Vieira foi mantido por Zema na Secretaria de Meio Ambiente, e agora sua equipe volta aos cargos

O Minas Gerais desta sexta-feira trouxe a revogação da exoneração de 47 servidores comissionados ligados à área do meio ambiente no estado. Os funcionários haviam sido desligados por decreto assinado e publicado por Romeu Zema (Novo) em 1º de janeiro, mesmo dia em que foi empossado governador. O texto exonerava todo e qualquer servidor de cargos comissionados – totalizando cerca de 6 mil pessoas. O comando da pasta, porém, continuou com Germano Luiz Gomes Vieira, servidor de carreira, que foi secretário durante a gestão de Fernando Pimentel (PT).
Voltaram aos cargos seis funcionários da Secretaria de Meio Ambiente, 33 do Instituto Estadual de Florestas (IEF) e oito do Instituto Mineiro de Gestão de´Águas (IMGA). Algumas gratificações que havia sido retiradas também foram concedidas. Logo depois de eleito, Zema elogiou o desempenho da equipe da secretaria e disse que a estrutura da pasta ficaria “intocada”, ainda que levasse adiante a proposta de fundir a pasta com a Secretaria de Agricultura. A medida não foi concretizada. Antes mesmo de tomar posse, o governador nomeou a engenheira florestal Ana Maria Soares Valentini para a Agricultura. Na ocasião, Zema ainda defendeu uma legislação mais rígida para evitar desastres como o rompimento da Barragem do Fundão, da Samarco, em Mariana.
Também foram recontratados servidores ligados às secretarias de Cultura, Agricultura, Planejamento, Esportes, Desenvolvimento Econômico, Desenvolvimento Agrário, e Controladoria-Geral do Estado (CGE).
Com a alegação de manter serviços “emergenciais e contínuos”, a Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) distribuiu na sexta-feira (4) passada um comunicado a gestores e setores de recursos humanos delegando aos titulares de órgãos e entidades a prerrogativa de encaminhar à pasta uma solicitação fundamentada para as renomeações. Comissionados começaram a voltar para a folha do Executivo no dia seguinte.
A medida foi tomada diante da constatação de que vários serviços foram prejudicados pela exoneração em massa de trabalhadores. Antes do decreto de Romeu Zema, em 31 de dezembro o então governador Fernando Pimentel (PT) havia decretado a perda dos cargos apenas de direção e chefia. Ao completar as exonerações no dia seguinte, o novo governo alegou que o decreto foi para “reparar” o ato do petista. Em nota, a Seplag havia dito que estavam resguardados todos os “serviços essenciais”. No comunicado distribuído sexta-feira passada, foi estabelecido para hoje o prazo para readmissão ou desligamento definitivo do funcionário da estrutura de recrutamento amplo.

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.