Economia

Inflação oficial fica em 0,32% em janeiro

Feijão carioca teve alta média de 19,76% em janeiro, segundo o IBGE

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, ficou em 0,32% em janeiro, acima dos 0,15% de dezembro, segundo divulgou ontem o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
O índice acumulado em 12 meses ficou em 3,78%, levemente acima dos 3,75% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores.
Considerando apenas os meses de janeiro, foi a maior inflação desde 2017 (0,38%). No acumulado em 12 meses também foi o maior percentual desde 2017 (5,35%).
Em 2018, a inflação oficial fechou o ano em 3,75%, abaixo do centro da meta fixada pelo governo, que era de 4,5%. Para 2019, o alvo central a ser perseguido é um pouco menor: 4,25%.
Alimentos e passagem de ônibus puxaram alta no mês
De acordo com o analista do IBGE, Pedro Kislanov da Costa, o grupo de alimentação e bebidas foi o que mais pressionou a inflação em janeiro.
Produto básico na mesa dos brasileiros, o feijão carioca foi o que teve a maior alta no mês (19,76%), respondendo por 0,03 pontos percentuais (p.p.) sobre o índice. Todavia, o maior impacto individual neste grupo partiu das frutas, cujos preços médios tiveram alta de 5,45% e impacto de 0,06 p.p.
Outros destaques de alta foram: cebola (10,21%), cereais e leguminosas (4,39%), hortaliças (2,38%), leite longa vida (2,10%) e carnes (0,78%). Por outro lado, o tomate teve queda de 19,46% em janeiro.
A alimentação fora também acelerou e subiu 0,79% na passagem de dezembro para janeiro. O destaque ficou com as altas do lanche (0,91%) e da refeição (0,90%).
Considerando o índice geral, no entanto, o item de maior impacto em janeiro foi ônibus urbanos, cujas tarifas tiveram alta média de 2,67%, respondendo por 0,07 p.p. do indicador.
“Houve reajustes em cinco das 16 regiões, quais sejam São Paulo, Belo Horizonte, Vitória, Fortaleza e São Luís. Vale lembrar que São Paulo tem um peso grande no índice”, destacou o analista do IBGE.

Perspectivas para a inflação

Mesmo com a pressão maior no início do ano, as perspectivas para a inflação permanecem confortáveis, com as projeções ancoradas e com um ritmo ainda moderado de crescimento econômico e da recuperação do mercado de trabalho no Brasil, destaca a agência Reuters.
Para 2019, os analistas das instituições financeiras diminuíram a expectativa de inflação de 4% para 3,94%, segundo a última pesquisa “Focus” do Banco Central. Essa foi a terceira queda seguida do indicador e, também, foi a primeira vez que o mercado estimou que o IPCA ficará abaixo de 4% neste ano.
A meta de inflação é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic), que foi mantida esta semana pela 7ª vez seguida em 6,5% ao ano. A meta central deste ano é de 4,25%, e o intervalo de tolerância do sistema de metas varia de 2,75% a 5,75%.
O banco Itaú reduziu nesta sexta a dua projeção para a inflação de 2019 para 3,6%, ante estimativa anterior de 3,9%), citando um cenário com “elevada capacidade ociosa na economia, taxa de câmbio bem comportada, menores reajustes de preços administrados e perspectiva de uma boa safra agrícola”.

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.