Economia

Itaú passa a ver queda da Selic a 5,75% este ano

Consumo das famílias tem recuperação apenas gradual, segundo Itaú

O Itaú revisou para baixo suas expectativas para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), para a Selic e para o resultado primário em 2019 e 2020, citando em relatório de ontem dados fracos de atividade e o cenário de necessidade de aprovação da reforma da Previdência.
O banco passou a estimar a Selic em 5,75% ao ano ao fim de 2019, de 6,50% da previsão anterior. O Itaú projeta que o Banco Central começará a cortar o juro básico em setembro, em doses de 0,25 ponto percentual, após a aprovação da reforma previdenciária.
A instituição também revisou para baixo a perspectiva para a Selic ao fim de 2020, para 5,5%, ante prognóstico anterior de 6,50%.
“Acreditamos que a combinação de atividade fraca com projeções de inflação abaixo da meta abrirá espaço para a implementação de estímulos monetários adicionais, caso o risco de deterioração fiscal seja mitigado pela aprovação da reforma”, disse o banco em relatório de revisão de cenário para Brasil.
Mas, em caso de frustração quanto ao avanço das medidas fiscais, o Itaú cita aumento da chance de alta de prêmios de risco, com desvalorização cambial e desancoragem das expectativas de inflação, ainda que o hiato do produto continue “amplo”. “Esse cenário seria compatível com manutenção ou mesmo alta de juros à frente”, ressalvou o banco.

PIB ainda mais fraco – Os dados mais fracos de atividade levaram os economistas do Itaú a ajustar para baixo as expectativas para a taxa de expansão do PIB. O banco vê agora crescimento de 1,3% em 2019, ante 2% da projeção anterior. Para 2020, a estimativa foi reduzida de 2,7 por cento para 2,5 por cento.
Nas contas do Itaú, o PIB deverá contrair 0,1% no primeiro trimestre, na margem, ante estimativa anterior de aumento de 0,3%, “possivelmente refletindo a redução da produção de minério de ferro em razão do rompimento da barragem em Brumadinho”, no Estado de Minas Gerais.
O banco cita em seu relatório recuperação apenas gradual no consumo das famílias, em meio à queda generalizada de índices de confiança em março e a uma atividade industrial “estagnada”.
O Itaú piorou ainda as estimativas para o resultado primário. A projeção agora é de déficit de 1,5% do PIB para 2019 (-1,4% antes) e de 1,0% em 2020 (-0,9% no cenário anterior). “O cenário é estritamente dependente da aprovação da reforma da Previdência.”
O banco manteve estimativas para o IPCA em 3,6% ao término de 2019 e 2020. A previsão para o dólar segue em R$ 3,80 para o fim de 2019 e de R$ 3,90 ao término de 2020.

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.