Veículos

Jeep Renegade 2019 ganha conteúdo e é mais barato

 

Jeep Renegade tem versões Logintude 1.8, Limited 1.8 flex automática, Longitude 2.0 diesel 4×4 e Trailhawk 2.0 diesel 4×4

A FCA colocou o pé no acelerador do Jeep Renegade para seguir na ponta do mercado interno de utilitários esportivos. O primeiro modelo nacional da Jeep fabricado em Goiana (PE) e que já teve mais de 160 mil unidades vendidas desde 2015 chega à linha 2019 com leves retoques estéticos e reforço no pacote de conteúdos de série.
O grande empurrão, porém, é o melhor custo benefício do modelo, que apesar de incorporar agora mais equipamentos, como sete airbags, teve os preços reduzidos nas versões mais baratas. A Sport 1.8 Flex manual tem preço sugerido de R$ 78,5 mil, R$ 7 mil a menos do que na linha 2018. O ganho com a versão dotada de câmbio automático de seis velocidades é ainda maior: o desembolso caiu R$ 8 mil, para R$ 84 mil.
O Renegade tem ainda as versões Logintude 1.8 (R$ 97 mil), Limited 1.8 flex automática (R$ 103,5 mil) e as top Longitude 2.0 diesel 4×4 com câmbio automático de nove velocidades (R$ 125,5 mil) e Trailhawk 2.0 diesel 4×4 também com câmbio de nove velocidades (R$ 136,4 mil).
A partir da versão Longitude, o SUV incorpora agora multimídia com tela de 8,4 polegadas, a maior do segmento. Era claramente uma deficiência do Jeep perante os muitos concorrentes do segmento de SUVs compactos. As Sport flex, porém, seguirão com o para lá de modesto sistema de 5 polegadas.
As mudanças estéticas não são tão grandes a ponto de a FCA, como adotará na sua divulgação, denominar a linha 2019 de Novo Renegade. Ao contrário, são bastante discretas. Mudaram detalhes dos faróis, que nas versões superiores são em LED, da grade frontal, da tampa do porta-malas, que no caso dos flex adotam estepe menor, o que garantiu ganho de 47 litros de bagagem.
A FCA também criou quatro novas rodas de 17, 18 e 19 polegadas – tamanho exclusivo no segmento – e oferece cores inéditas na linha, como marrom ou azul. A exemplo de outras marcas, a Jeep está finalmente tentando se livrar da ditadura do preto, prata e branco.
O para-choque dianteiro das versões flex talvez seja a alteração externa, junto com os faróis, mais perceptível para os menos atentos. Ele foi redesenhado de forma a ampliar o chamado ângulo de ataque que permite passar por obstáculos e valetas sem tantos riscos de danos ao conjunto. Agora ele tem 28 graus, muito próximo dos 30 graus verificados nos Renegade a diesel desde seu lançamento há três anos.
Com preços bem mais agressivos nas faixas de entrada do segmento de SUVs compactos – o maior dentre os utilitários esportivos e que já responde, sozinho, por 14% do mercado interno -, a FCA espera deter a investida de muitos concorrentes e encerrar o ano com cerca de 60 mil unidades do Renegade vendidas.
Se assim for, as vendas do modelo crescerão cerca de 20% sobre o ano passado. Até setembro, o modelo já vendeu 15% a mais. “Com esses valores, as Sport, que têm representado algo como 25% do mix, devem passar a 50% das vendas”, calcula Tânia Silvestri, diretora comercial e de marketing da Jeep.
Ainda assim, o Renegade seguirá como o segundo Jeep mais vendido no mercado brasileiro. O primeiro é o outro modelo nacional, o Compass, líder absoluto entre as dezenas de SUVs vendidos no Brasil. De janeiro a setembro, foram negociadas mais de 43 mil unidades do modelo, equivalentes a 12% dos SUVs.
Com a esperada evolução das vendas de Renegade e a tranquila vantagem do Compass sobre todos os concorrentes, Tânia Silvestri não tem dúvida de que a marca seguirá na ponta do segmento. Hoje, de cada quatro utilitários esportivos negociados, um é Jeep.
Até setembro, a marca ocupa a nona colocação no ranking das mais vendidas no País, com 77,9 mil unidades negociadas. A participação de mercado já é de 4,4 %, 0,4 ponto porcentual a mais do que ao longo de 2016, quando foram vendidos 88 mil veículos da marca nacionais e importados.

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.