Cidade

Justiça concede recuperação judicial para Heringer

Homologações são feitas pelo Stiquifar em Uberaba

A 2ª Vara da Comarca de Paulínia (SP) deferiu o pedido de recuperação judicial da Fertilizantes Heringer. Com o deferimento, todas as ações e execuções atualmente em curso contra a companhia são suspensas pelo prazo de 180 dias corridos.
Para que os trabalhadores demitidos não fiquem sem suprimentos básicos, pois não receberam o salário referente a janeiro, o Stiquifar – Sindicato dos Químicos e Farmacêuticos de Uberaba e Região conseguiu a partir de uma negociação direta, que as rescisões contratuais fossem realizadas na sede do sindicato, com o objetivo principal de agilizar o recebimento de FGTS e seguro desemprego aos trabalhadores.
Na tarde de hoje, o Stiquifar já recebeu 15 pessoas para a realização da homologação. Um representante da empresa integrante de RH, também está participando do processo. De acordo com Graça Carriconde, o Stiquifar cumpre o seu papel. “Nós vamos ter que tentar sensibilizar também a justiça, para que consigamos priorizar o pagamento das verbas rescisórias”.
Para isso, já está sendo preparada uma ação pelo advogado Daniel Guimarães, pedindo a adiantamento do pagamento das verbas junto a Justiça do Trabalho. “Vamos peticionar na recuperação judicial para tentarmos um pagamento antecipado”.
O Stiquifar receberá diariamente para homologação 20 trabalhadores que sairão com a chave para o recebimento do fundo de garantia e entrada no seguro desemprego.

Entendendo – Na recuperação judicial apresentada pela Heringer, existem muitas dívidas. Os créditos são de natureza trabalhista, prestadores de serviço e até fornecedores. De acordo com o advogado Guimarães, “com quantidade de dívida que a empresa tem, não conseguiria pagar todos os credores. A partir da recuperação judicial, a Heringer recebe a possibilidade de reestruturar e assim possivelmente conseguir arcar com as dívidas, já que existem muitos bens penhorados por esses credores”, esclareceu.

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.