Nacional

Líder do PSL na Câmara defende permanência de Maia

O líder do PSL na Câmara, deputado Delegado Waldir (GO)

O líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (PSL-GO), defendeu na sexta-feira (22) a permanência do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, na articulação para a aprovação da reforma da Previdência.
Para o parlamentar, sem a participação de Maia a proposta terá “grandes dificuldades”. O PSL é o partido do presidente Jair Bolsonaro.
“O presidente Rodrigo Maia é o principal defensor da reforma da Previdência. Ele é uma pessoa indispensável”, disse Waldir.
“O governo, o presidente da República, como chefe de Poder, tem que tratar com o presidente Rodrigo Maia, que é o meu presidente. Então ele tem que tratar dessa reforma com o presidente da Casa. É indispensável na condução desse processo o comando do presidente Rodrigo Maia. Se ele não estiver nesse projeto, a reforma da previdência terá grandes dificuldades”, completou.
O líder do PSL defendeu ainda que o governo monte uma base aliada e disse que hoje não há os votos necessários para aprovar a proposta de reforma. Esses temas seriam debatidos num almoço nesta sexta com o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e com o presidente da CCJ, Felipe Francischini (PSL-PR).
“Nós vamos para ouvir. E se perguntado, vamos contar ao ministro da Casa Civil que ele tem que montar um bloco de apoio para aprovar a reforma da Previdência. São 308 votos. Tem que ter uma margem de segurança de 320 votos. E não tem isso hoje para aprovar a reforma da Previdência.”
O parlamentar afirmou também que, com as diferenças entre as novas regras previdenciárias para servidores civis e os militares, há “cisões internas” dentro do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro.
“O único partido hoje que declarou apoio à reforma da previdência foi o PSL, mas hoje já com a reforma da Previdência já inclusive temos as cisões internas”, disse.
Em uma rede social, Rodrigo Maia afirmou que não vai deixar de defender a reforma da Previdência. “Nunca vou deixar de defender a reforma da Previdência”, postou o presidente da Câmara.

Projeto dos militares – A proposta com novas regras de aposentadoria e pensão para os militares chegou ao Congresso Nacional na última quarta-feira (20). Na Câmara, onde vai iniciar a tramitação, o texto recebeu críticas de líderes partidários – inclusive do próprio líder do PSL.
Um dos principais pontos de insatisfação é o fato de o projeto conter a reestruturação da carreira dos militares, o que diminui a economia prevista com as novas regras.
“Penso que a reestruturação da carreira não era o momento adequado para vir nesse debate. O ministro Paulo Guedes foi claro, quando esteve nesta Casa, em várias entrevistas, que era um trilhão. Hoje ele busca apenas 10 bilhões [no projeto dos militares]. Então nós queremos saber como é essa matemática”, afirmou Delegado Waldir.
As críticas ao projeto dos militares fizeram o presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, Felipe Francischini, adiar a indicação do relator da PEC da Previdência. Para o Delegado Waldir, a expectativa é de que o presidente do colegiado indique um nome na próxima terça-feira (26), depois da audiência pública com o ministro da Economia, Paulo Guedes.
“Uma vez que o ministro venha, o presidente da CCJ, é a decisão pessoal dele, tem autonomia e independência, e ele já tem um nome para ser o relator da reforma da Previdência na CCJ.”

Articulação política – O líder do PSL afirmou ainda que os líderes partidários na Câmara não participaram da elaboração das duas propostas previdenciárias.
“Na verdade nenhum líder partidário, nem o líder do PSL participou da formatação desse projeto de lei e nem da emenda constitucional. Nós recebemos esses pacotes com a vinda do presidente da República aqui nessa casa. Recebi pedidos e ouvi de vários líderes partidários que eles gostariam de ter participado desse projeto, junto, na construção desse projeto. Mas isso efetivamente não aconteceu.”
Ele ressaltou que são os deputados e senadores que sofrerão as consequências políticas da reforma da Previdência.
“Quem vai colocar a digital, quem vai sofrer as consequências da reforma da Previdência não é o governo, é cada parlamentar que vota aqui, deputado, senador, que coloca sua digital. E nós temos que dar satisfação ao cidadão brasileiro.”

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.