Economia

Mato Grosso do Sul registra discreta alta na saca de soja

Das 8,800 milhões de toneladas colhidas em MS nesta safra, cerca de 5,156 milhões já foram vendidas, aponta corretora

Produtores de Mato Grosso do Sul comercializaram até o dia 8 de abril cerca de 58,6% da safra de soja deste ciclo, o que representa aproximadamente 5,156 milhões de toneladas, das 8,800 milhões de toneladas que foram colhidas no estado, segundo levantamento da Granos Corretora.
O percentual de vendas da temporada 2018/2019, de acordo com a corretora, está três pontos percentuais acima do registrado no mesmo período da safra anterior, a 2017/2018.
Segundo análise dos técnicos do Sistema de Informação Geografica do Agronegócio (SIGA), da Aprosoja/MS e Famasul, a proximidade do encerramento da colheita de soja no Brasil tem levado as indústrias a adquirirem somente volumes pontuais, pois assim esperam pagar preços menores pela oleaginosa.
Entretanto, os preços no mercado interno têm acompanhado a alta internacional. Questões como as relações comerciais entre os Estados Unidos e a China e a expectativa de uma redução na área de cultivo norte-americana têm influenciado o mercado internacional.
Em Mato Grosso do Sul, o preço da saca de 60 quilos da oleaginosa teve uma ligeira valorização entre 1º e 8 de abril, 0,09%, passando da média de R$ 66,50 para R$ 66,56. Já o indicador da soja Esalq/BMF&Bovespa – Paranaguá, teve no mesmo período uma alta um pouco maior, 0,52%. O valor passou de R$ 76,93 para R$ 77,33.
Para o mesmo intervalo de tempo, a Bolsa de Chicago, nos Estados Unidos, também contabilizou um discreto incremento nos contratos futuros: com vencimento em maio, 0,36% (sendo comercializado a US$ 8,99 o bushel); julho, 0,33% (US$ 9,12); agosto, 0,27% (US$ 9,17) e setembro, 0,30% (US$ 9,22).

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.