ColunasJuba Maria - Mulherio

MULHERIO

Violência contra a mulher na escola
O que acontece dentro da escola que contribui para perpetuar ou mesmo naturalizar a violência contra a mulher? Essa será a pergunta que vai nortear a mesa redonda “Pedagogia da violência contra a mulher”, dia 24, de 19h a 21h, no Auditório Rubi da UFTM. O projeto está sendo desenvolvidos por Eliana Neves, Jaqueline Lima e Walêska Sousa. “Minha especialidade são as relações de trabalho e estou procurando me debruçar sobre o impacto da entrada dos homens no ambiente escolar, antes dominado por mulheres, mas que trouxe para esse espaço o machismo e suas violências”, explicou Jaqueline. Entre os temas a serem discutidos está o tratamento desigual dado por professores e professoras a meninos e meninas para a realização de tarefas, o papel das mulheres na gestão do ensino e a precarização do trabalho docente e seus impactos entre mulheres, entre outros.

Contra elas
O Projeto de Lei 1256/19, do Senador Angelo Coronel (PSD/BA) pretende retirar o percentual de preenchimento mínimo de vagas para candidaturas de cada sexo.

Livro-objeto
Um livro pode ser ao mesmo tempo objeto e arte, convidando o público para cheirar, pegar, experimentar as texturas, balançar, ouvir. E por fim faz pensar sobre o papel da arte e da literatura na sociedade contemporânea. É com esses e outros questionamentos que saímos da exposição “Palavras fechadas”, da carioca Mozileide Neri, em exposição desde o dia 12 no Centro Cultural SESI Minas, em Uberaba. As obras rompem a utilização funcional do livro. “Eu sempre batia na tecla e refletia sobre os livros empoeirados na estante, os inúmeros livros que são comprados em razão de suas capas lindíssimas e nunca são lindos. A ideia era fazer o livro ser lido de outra forma”, conta a artista plástica que também trabalha como produtora cultura no Rio. Desde 2012, em itinerância pelo país, cerca de 5 mil pessoas passaram por essa exposição que em Uberaba ficará aberta até 5/5. Depois disso, “Palavra fechada” deve circular por Paraty, Chapecó e Uberlândia. As obras acompanham explicação em braile. Recomendo!

Expressões da violência
“A expressão da violência na sociedade contemporânea” é o tema do V Simpósio e Curso Introdutório da Liga de Psicologia Jurídica e Serviço Social, que acontece no próximo dia 22/4, no auditório Safira da UFTM. O objetivo é refletir e desenvolver novas maneiras e abordagens quanto à expressão da violência sob o olhar da psicologia jurídica e do serviço social, que lidam diariamente com as expressões da violência. Durante a abertura do evento, a assistente social e artista plástica, Claudia Lessa, fará uma perfomance cênica sobre o tema. Em 2018, Cláudia participou do festival Mínima Cena, produzido pelo SESI Minas, com a esquete teatral “O que guardo de mim”.

Mulheres no Agro
Já está em Uberaba a estudante de zootecnia do IFTM, Maria Octávia Lopes, que esteve em São Carlos no último fim de semana participando do Sancathon – Future Farms. O evento reuniu programadores, designers e outros profissionais ligados ao desenvolvimento de software para uma maratona de programação. O objetivo era desenvolver um software ou uma solução tecnológica. Maria Octávia é a única mulher na Caipirabot, composta por cinco integrantes. A equipe ficou em segundo lugar ao apresentar um Sistema Inteligente de Gestão para a Avicultura cuja função é automatizar o preso das aves utilizando Inteligência Artificial e IoT (Internet of Things). Parabéns!

Falar menos e ouvir mais
O atendimento ou mesmo uma conversa com uma mulher que esteja vivendo ou já viveu a situação de violência no relacionamento afetivo é delicado e requer um preparo além do tradicional. Suas peculiaridades começam a ser destrinchadas recentemente depois que as próprias vítimas passaram a reivindicar seu lugar de fala. Entre o comportamento a ser evitado está insistir que essa mulher faça o boletim de ocorrência. Em vez disso, abrace, demonstre amor e afeto e ofereça companhia, caso ela queira, para comparecer à Delegacia da Mulher. Na ocasião, evite comentários. Em vez disso, ouça essa mulher e não se refira ao agressor com expressões agressivas e violentas. A vítima poderá se sentir mal, confusa, fraca ou mesmo diminuída por ainda ter afeto por esse homem. Prefira doar amor e exercer a empatia para que a força dessa mulher possa emergir em meio a tanta dor. Nada mais.

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja Também

Fechar