Estado de Minas

Cerca de 2% dos pequenos negócios encerraram as atividades em Minas

Ainda segundo o estudo, das empresas que encerraram suas atividades permanentemente, 32% disseram que poderiam ter evitado o fechamento

03/07/2020 05h00
Por: Redação
Pesquisa do Sebrae mostra também que metade dos empresários mineiros que fecharam permanentemente, não pretendem mais empreender
Pesquisa do Sebrae mostra também que metade dos empresários mineiros que fecharam permanentemente, não pretendem mais empreender

 

A crise provocada pelo coronavírus (Covid-19) atingiu em cheio cerca de 2% dos pequenos negócios mineiros que tiveram que fechar as portas de vez. De acordo com a 4ª edição da Pesquisa Impactos do Coronavírus nos Pequenos Negócios, feita pelo Sebrae, entre os dias 29 de maio e 5 de junho, os empreendimentos do estado que continuam no mercado registraram uma queda de mais da metade do faturamento.

Ainda segundo o estudo, das empresas que encerraram suas atividades permanentemente, 32% disseram que poderiam ter evitado o fechamento, caso tivessem apoio financeiro do governo. Por outro lado, 31,5% dos entrevistados afirmaram que nada poderia ter ajudado a superarem a crise. “Os pequenos negócios têm enfrentado, desde março, uma batalha diária para continuar no mercado. Além das incertezas provocadas pela pandemia, a falta de recursos financeiros para tocar o negócio, mesmo após a retomada, é um dos principais motivos que fizeram com que as empresas encerrem suas atividades”, justifica o Superintendente do Sebrae Minas, Afonso Maria Rocha.

Questionados sobre o que irão fazer após o fechamento do negócio, 54,4% dos donos de pequenos negócios mineiros disseram que irão buscar novas oportunidades de emprego e 18,2% irão criar um negócio informal.

Já os empreendimentos mineiros que continuam no mercado, 36,3% conseguem funcionar neste momento de restrição de circulação, porém não têm estrutura para usar tecnologias digitais. “Entender as novas necessidades do consumidor é o melhor caminho para quem quer manter a empresa funcionando. Porém, temos que lembrar que neste percurso muitos pequenos negócios não têm recursos nem estrutura para acompanhar os avanços tecnológicos.  Neste caso, as melhores opções continuam sendo se reinventar e planejar usando a criatividade”, explica Rocha.

 

Impactos no faturamento - Como no restante do país, em Minas Gerais a situação do faturamento das empresas não foi diferente. O isolamento social e o fechamento do comércio estão impactando diretamente a redução da receita de 85,5% dos pequenos negócios mineiros, até o momento. A média de queda chega a 58% dos rendimentos das empresas.

Apenas 4,2% dos pequenos negócios mineiros registraram ampliação das vendas neste período de pandemia. Em média, o aumento da receita foi de 23%. De acordo com mais da metade dos entrevistados que registraram essa expansão das vendas, o principal motivo atribuído ao resultado positivo foi o investimento no comércio online. 

“As vendas pela internet já fazem do ‘novo normal’. Quem não estiver neste mercado perderá muito poder de venda e fidelização de clientes. No site Sebrae.mg disponibilizamos orientações sobre o comércio digital entre outros assuntos, que poderão ajudar os pequenos negócios no enfrentamento dessa crise”, lembra o Superintendente do Sebrae Minas, Afonso Maria Rocha.

 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários