Economia

Especialista em economia aponta setores que estão ganhando dinheiro apesar da quarentena

O tributarista e especialista no mercado financeiro Eliézer Marins aponta setores da economia que estão crescendo apesar da pandemia da covid-19

11/07/2020 05h00
Por: Redação

Uma luz no fim do túnel. Após o impacto extremamente negativo sofrido

pela maioria das empresas em virtude da pandemia do coronavírus, foi

identificado pela Receita Federal uma reação positiva das vendas no

mês de junho, que atingiram o maior patamar do ano, superando,

inclusive, a porcentagem do mesmo mês em comparação ao ano passado,

de forma que se apurou uma equivalência das vendas entre 2019 e 2020.

Mas como isso é possível mesmo em meio à pandemia da covid-19?

 

O tributarista e especialista no mercado financeiro, Eliézer Marins

[1], revela que isso é resultado de alguns setores da economia que

experimentaram crescimento como consequência da quarentena e do

isolamento social: "um grupo de empresas, além de obviamente aquelas

que fabricam máscaras e álcool gel e luvas, tão necessários nesse

momento, experimentou crescimento econômico ou estabilidade na crise.

Cito como exemplos o setor de construção civil, de informação e

comunicação, de supermercados, vestuário feminino, roupa íntima e

farmácias não foram tão atingidos pela adversidade da pandemia,

conseguindo manter o volume de vendas de produtos ou serviços, ou até

mesmo elevá-los, principalmente com base nas compras públicas feitas

pelos governos a fim de atender às necessidades da população e a

injeção de recursos através das medidas de combate ao novo

coronavírus, bem como o programa de auxílio emergencial, que

representou mais de 98 bilhões de reais a mais em circulação.”

 

Medição de crescimento

 

O especialista revela qual o método utilizado para constatar o

crescimento destes setores: “o registro, realizado por meio de notas

fiscais eletrônicas e que retrata a economia real, indicou o início de

uma recuperação significativa, pois reverteu o cenário da queda

brutal observada no mês de abril.”

 

Eliézer Marins também ressalta que há um novo normal, com a mudança

de hábitos do consumidor, que passou a movimentar a economia através

de produtos e serviços digitais: “Dados da Receita Federal mostram

que o comércio eletrônico foi meio principal de compras e aquisição

de bens e serviços durante a pandemia. Logo, as compras que deixaram de

ser realizadas presencialmente, migraram para o e-commerce.  Com os

novos hábitos estão sendo criados durante a pandemia, a tendência é

que as lojas virtuais, dropshipping e vendas eletrônicas em geral

cresçam cada vez mais.”

 

Ainda não é o fim

 

Entretanto, Marins ressaltou que ainda serão necessárias muitas outras

medidas e mais tempo para retomar a trajetória de crescimento da

economia, embora a reversão tenha sido importante: “a pandemia ainda

não passou e existem ainda muitas restrições, mas enquanto alguns

setores infelizmente amargaram enorme prejuízo, como restaurantes,

entretenimento e lojas de shopping center, outros experimentaram um

crescimento jamais visto. Com o tempo, as coisas devem se estabilizar,

assim como novas oportunidades de empreendimentos devem surgir com esse

novo normal no que diz respeito aos hábitos do consumidor.”

 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários