Banner prefeitura Covid
Coluna

Nacional

Cláudio Humberto

Cláudio Humberto

Cláudio HumbertoCláudio Humberto Rosa e Silva é um jornalista brasileiro, colunista e editor-chefe do Diário do Poder, responsável pela ascensão de Fernando Collor de Mello no cenário político nacional. Sua coluna é reproduzida em jornais de todo o Brasil.

17/09/2020 04h00
Por: Redação
quem tinha votos
quem tinha votos
Cláudio Humberto

 

 

 

“Merecem uma reposta dura do ordenamento jurídico”

Léo Moraes (Pode-RO) justifica projeto que tenta transformar a corrupção em crime hediondo

 

Bolsonaro acabou ‘Renda Brasil’ para conter boato

O presidente Jair Bolsonaro jamais gostou da ideia e nesta terça-feira (15) liquidou de uma vez a troca de denominação do Bolsa Família por “Renda Brasil”. Político experiente, ele sabia que a mudança embutia um risco desnecessário. Mas o presidente teve certeza de que era mesmo um erro quando soube que opositores, aproveitando-se do noticiário confuso, já espalhavam o boato de que “o Bolsa Família vai acabar”.

 

Profissionais

Bolsonaro não quis subestimar o boato até porque reconhece que estão na oposição, sobretudo no PT, grandes especialistas nessa matéria.

 

Boato eleitor

O boato de que “o bolsa família vai acabar” garantiu a reeleição de Dilma Rousseff (PT), em 2014, contra Aécio Neves (PSDB).

 

Pai dos pobres

O novo nome foi descartado, mas não a decisão de melhorar o bolsa-família. Em 2021, Bolsonaro quer correr para o abraço com o povão.

 

Água na fervura

Oposição parecia usar o boato sobre o “fim” do bolsa família” para tentar neutralizar a crescente aprovação de Bolsonaro junto aos mais pobres.

 

Nos Correios, 36 sindicatos dificultam negociação

Um dos motivos do declínio dos Correios, que já foram a instituição mais respeitada do Brasil, é a radicalização do impressionante número de sindicatos, um mais radical que o outro. Atualmente, são 36 entidades pretendendo “liderar” quase 100 mil funcionários. Empenhada em manter regalias, a pelegada agora é questionada pelos funcionários convencidos do erro promover greve em plena pandemia. Poucas greves apontaram de modo tão eloquente a privatização da estatal como solução definitiva.

 

300 só na ECT

De 5 a 9 empregados são liberados do trabalho para ficar à disposição de cada um dos sindicatos e 11 para cada uma das duas federações.

 

Sem nenhum pudor

Todos os liberados mantêm, além dos salários e assistência médica, os vales Alimentação e Refeição, vale-peru e vale-cultura. Sem nem corar.

 

Apesar dos prejuízos

Além das regalias, o acordo coletivo obriga viabilização de cooperativa habitacional, palestras e cursos, além de reembolso de gasto com babá.

 

Vazar com moderação

O ministro da Economia, Paulo Guedes, foi orientado no Planalto a fazer sua equipe “plantar estudos” com moderação. Fazem isso só para testar a reação da opinião pública e descartar ideias que repercutam muito mal. Nesta terça, exageraram: uma lorota distinta plantada em cada jornalão.

 

Novo gigante

Ex-partido do presidente, o PSL vai receber quase R$200 milhões do fundão eleitoral para a campanha deste ano. Em 2016, sem esse fundão indecoroso, o PSL foi o 19º partido a eleger mais prefeitos: 30 em 5,5 mil.

 

Que vexame

É constrangedor sindicalistas ligados ao ensino público, escorados na estabilidade, tentando inviabilizar a retomada das aulas, quando até a Organização Mundial de Saúde (OMS) o recomenda.

 

Crime hediondo

Projeto do deputado Léo Moraes (Pode-RO) torna crimes hediondos desvio de dinheiro público, corrupção, tráfico de influência etc. Sem direito a anistia, a fiança ou a progressão de regime.

 

Pró-cartão vermelho

O ex-ministro Moreira Franco achou sensato o “cartão vermelho” de Bolsonaro à equipe econômica, “que insiste em tirar do andar de baixo em vez de taxar o andar de cima”. Para ele, o Renda Brasil deve existir.

 

Torcida aberta

A imprensa brasileira seguiu a americana, majoritariamente ligada ao partido Democrata, tentando desqualificar o acordo que normalizou as relações de Israel com duas nações árabes. Como se o acordo histórico não pudesse ser fechado porque ajudaria na reeleição de Donald Trump.

 

Tarde demais

A comissão do Covid-19 na Câmara convidou o ministro da Educação, Milton Ribeiro, para falar sobre o plano da retomada de aulas presenciais. Marcada para dia 17, faltam só 3 meses para acabar o ano.

 

Pernas curtas

O site eCidadania, do Senado, alegou “manutenção” e censurou enquete onde 99% de 9 mil pessoas rejeitavam a reeleição de Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre. Mas todas as demais seções do site funcionam.

 

Pensando bem...

...faltam dois meses para as eleições municipais, mas nem parece.

 

PODER SEM PUDOR

Quem tinha votos

Quem narrou o seguinte episódio ao então repórter Murilo Melo Filho foi o senador conterrâneo Dinarte Mariz: “o presidente Castelo Branco chamou-me ao Palácio das Laranjeiras para conversar sobre a sucessão no Rio Grande do Norte. Começou dizendo que quem realmente tinha votos lá no Estado era o meu adversário, Aluízio Alves. Ponderei: ‘Vossa Excelência me perdoe. Mas, se o critério é este, quem devia estar aí no seu lugar era o Juscelino, que tem votos. Muitos, aliás’.” 

___

Com André Brito e Tiago Vasconcelos

                        www.diariodopoder.com.br

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários