Artigo

Julio Franco

Professor universitário, escritor

Reflexões

ReflexõesArtigos diários

24/09/2020 05h00
Por: Redação

Sendo Franco, está queimando apenas agora?

Nobre veículo e editor, muito obrigado pela oportunidade, e deixamos aqui, os nossos mais sinceros sentimentos a todas as famílias de Uberaba, que perderam os seus entes queridos. Com respeito a tudo que temos visto, notamos sim, que os governos de vários países se encontram também em dificuldades com os incêndios, e.g. Portugal, USA, Argentina e tantos outros. Isto, é algo que por mais que você desejar que acabe, as condições climáticas estão alteradas. Lembrar que temos um crescimento desordenado de conjuntos residenciais de altíssimo padrão, bem como, de favelas, não se fala. De mesma forma, haver também uma renúncia intelectual sobre a preservação das árvores em todas as ruas de nossas cidades, não se menciona. Tudo que notamos, é o crescimento desordenado das cidades. Se permite-nos dizer, a exemplo que temos em nossa cidade, se subir a rua Tristão de Castro, por gentileza, conte quantas árvores existem? Em toda a extensão da avenida Leopoldino de Oliveira, bis in idem.

Quando se proíbe fazer o fogo frio ou queima controlada, acontece o acúmulo de massa orgânica, o que contribui para as queimadas, inclusive, no manejo florestal, o fogo é fundamental. Isto tudo por questão IDEOLÓGICA. Outro aspecto de extrema função, é a proibição do retardante de fogo, um produto semelhante ao minério, que por mera ideologia de uma ala ambientalista com torpor mental, nada foi feito??? Mas, isto não mencionamos, reclamamos da Amazônia sem o menor conhecimento de causa, a propósito, o Governo Federal saltou de 1400 combatentes para 3000, disponibilizou mais 04 aeronaves para jogar produtos no combate as queimadas; mas isto não é mencionado, uma proposta firme de usar o retardante de fogo, atrelada as recomendações de diminuir a pecuária livre, no pasto, também não mencionam nada. Enfim, tudo isto, vem a somar para que as piores condições sejam favoráveis as queimadas.

Distante de defender pura e simplesmente o governo, mas, não podemos deixar de pontuar aquilo que é fato, não aquilo que é falácia. Temos uma tela de cores firmes e fortes, com tons pastéis e inúteis na harmonia. Seria isto por uma analogia a forma de condução do tema. No ano passado, a Austrália, queimou muito mais que a Amazônia, no entanto, isto também não se fala. Agora, pensar em projetos que materializem a lenda e verdade que a mata em pé, vale mais que a mata queimada, não são aceitos, e.g. a proibição velada do retardante de fogo. Precisamos de políticas públicas implantadas, em funcionamento, sem Funai, Incra, e tantos outros órgãos que sabe Deus como atuam naquelas regiões. Precisamos delimitar novamente aquilo que pode ser cedido ao uso indígena e outros fins, mas, prioritariamente, propiciar condições para que o sertanejo, o homem da mata, não precise se cooptar por míseros tostões, enquanto isto, o baby beef-playboy almofadinha, usando o seu smartphone Iphone20, fica discutindo meio ambiente na zona sul de SP, dentro de seu Audi A20, sem nunca ter pisado na Amazônia, tão pouco conhecer o contexto.

Gostaria de saber, Harisson Ford, Soros, Di Caprio, vocês sabem onde fica o Brasil, vocês conhecem a realidade do país, daquela região, das dificuldades passadas por todos nós diante de uma pandemia criada por um vírus da China? Tenho quase certeza, não. No entanto, os holofotes da mídia, com os seus canhões de jornalistas mal informados, dão conta que “nossa a Amazônia está queimando”, “o governo não cuida da mata”, “ó meu Deus”. Agora, é tarde, agora é como sempre correr atrás do prejuízo, porque os lucros, se foram com as bestas úteis que vão para Paris, discutir clima, discutir pautas de pleitos vazios, estapafúrdios e esdrúxulos. Somos mais que esta mesquinhes, temos sim, condições de melhorar isto, mas, diante de uma forma tosca, rasa, mediana, e paralela a realidade, buscam jogar a culpa no governo, hehehehe, faz me rir. Em respeito aos colegas que compartilham este espaço, finalizando por aqui e torcendo que tenhamos maior lucidez em nossas vidas, em especial, para os desordenados mentais que ainda pensam em seus mundos, pequenos, perversos, tristes e sombrios que tão bem os representam, estamos aqui, falando da esquerda, isto mesmo, aquela boa e velha vermelhidão. Abençoada semana a todos.

 

Julio Franco - Professor universitário, escritor, confiante que o Brasil, tem jeito sim!

 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários