Coluna

Cultura

Luiz Hozumi

Luiz Hozumi

Luiz HozumiProdutor cultural, publicitário, especialista em gestão e políticas culturais. [email protected]

26/09/2020 05h00
Por: Redação

UM NOVO “DOCA” PARA UBERABA

Tem pesquisador que deixou a cidade, mas anda dizendo nas redes sociais que vai publicar livro criticando as figuras ilustres de Uberaba bem no ano do bicentenário. Será um novo “Doca”? Para quem não sabe o jornalista Orlando Ferreira, conhecido como Doca, publicou em 1928 uma de suas obras mais provocativas “Terra Madrasta” e nela denunciava e criticava de forma bem direta e até mesmo acerbada as elites de Uberaba.

Completados 200 anos e quase cem anos depois da publicação de Orlando Ferreira será que algo mudou na cidade? Será que precisamos de um novo Doca para escancarar as feridas abertas da Leopoldino de Oliveira? Ou será que a cidade já evoluiu e cicatrizou todas as mágoas das tradicionais famílias em serem exclusivamente as mandatárias da terrinha? Talvez a gente descubra algo assim que o livro do pesquisador for lançado, ou não? Os exaltados serão mesmo humilhados? E o que restará aos que sempre foram humilhados? O que muda nessa cultura do ser uberabense, ou do ser elite uberabense? O que muda Uberaba ou o que já mudou? Para o bem ou para o mal apareça novo Doca! 

 

BLACK PANTERA GRAVA SEU 3 DISCO 

A banda uberabense formada por Chaene da Gama, Charles da Gama e Rodrigo Augusto (Pancho) está na Deckdisc, no Rio de Janeiro gravando sua terceira produção. A Black Pantera tem se projetado ao mundo com seu tom forte,  crítico e acima de tudo com identidade própria. A gravadora Deckdisc já lançou grandes nomes do rock, do samba, do Pop, Funk e da MPB, agora é a vez dos uberabenses. Vem porrada por aí, certeza! 

 

CORAL CIDADE DE UBERABA 28 ANOS 

Na última sexta (25/09) o Coral Cidade de Uberaba completou 28 anos de existência contribuindo para a cultura e a música em Uberaba. Foram vários integrantes durante este tempo, mas destaco aqui em nome de todos, o empenho de Marly Gonçalves da Costa que desde agosto de 1999 se dedica com maestria a regência das vozes que formam o coro com todo profissionalismo. Parabéns ao Coral Cidade de Uberaba.

 

PROGRAMA TRILHA DE SEXTA DÁ OPORTUNIDADE PARA NOVOS TALENTOS DA MÚSICA

Começar uma carreira no ramo da música exige muito, mas o Trilha de Sexta vai oferecer a oportunidade que faltava para músicos e bandas independentes. Com oferecimento exclusivo da cerveja Crystal em parceria com o Portal R7, o programa traz um conteúdo de qualidade e dá oportunidade para quem vive ou sonha em viver da música. Semanalmente, os interessados em participar do Trilha de Sexta podem se inscrever no Portal R7, compartilhando o material de trabalho. Uma curadoria vai eleger os melhores da semana, que vão compor a Playlist Especial. A cada semana, cinco novos artistas serão apresentados. O conteúdo também vai para o site de notícias, com matérias exclusivas sobre o mundo da música, lives e gravações especiais com esses artistas selecionados. “Esse tipo de divulgação é, sem dúvida, muito importante para quem está começando. Possibilita vivência e novas perspectivas. A Crystal quer incentivar essa busca pelo sonho!” explica Eliana Cassandre, head de marketing da Crystal. O Trilha de Sexta teve seu lançamento no último mês, e tem sido veiculado semanalmente, às 19h, no  www.r7.com.br. Apresentado por Jack Petkovic e o Garçom Orestes, personagem que estrela as campanhas publicitárias da cerveja Crystal, o programa reúne bate papo com grandes artistas e influenciadores digitais, que tem a receita do sucesso para quem quer bombar nas redes. A proposta é tornar o happy hour em casa ainda mais divertido, acompanhado de muita música boa.

 Banda Hotelo foi a participante do Trilha de Sexta da última sexta (25/09).

 

R$ 295 MILHÕES DA LEI ALDIR BLANC LIBERADOS PARA MINAS GERAIS

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) recebeu o recurso para executar a Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc no Estado. O Plano de Ação de Minas, que norteia a aplicação do repasse, foi fruto de muita escuta do setor e de intensa articulação entre os municípios e a sociedade civil. O documento, aprovado em 04/9, cria ações e estratégias para facilitar o acesso dos artistas, técnicos e organizações do setor cultural aos recursos.  O recurso já liberado para operacionalização da lei pelo Estado é de R$ 135,7 milhões, outros R$ 160,2 milhões serão destinados aos municípios, totalizando para Minas Gerais R$ 295.9 milhões. Parte desse valor será destinada ao auxílio emergencial e outra parte para editais, chamamentos públicos e prêmios que serão distribuídos em 16 áreas temáticas. Entre elas estão Audiovisual, Mostras e festivais, Memória, Patrimônio, Circo, Teatro, Música, Dança, Equipamentos Culturais, Literatura, Feiras, Quadrinhos, Artes Visuais.

Áreas que representam toda a diversidade e a riqueza do estado, como as culturas populares e tradicionais, vão receber maior parte do recurso, cerca de 16% do montante, o que corresponde a R$ 32,7 milhões. A ação conjunta e complementar aos municípios é outro destaque do Plano de Ação de Minas Gerais, com o Estado se responsabilizando por editais voltados a ações maiores e mais dispendiosas, que os municípios não conseguiriam assumir.  Outro ponto importante do documento é a busca por um regime jurídico simplificado na apresentação e prestação de contas. O que amplia o acesso aos municípios, sobretudo aqueles de menor estrutura. Foram criadas duas comissões relativas à Lei de emergência cultural em Minas Gerais: uma executiva, para análise e proposição de medidas administrativas, técnicas e jurídicas necessárias à operacionalização da Lei; e a comissão estratégica de gestão, para, em consenso com os municípios, definir diretrizes de destinação dos recursos emergenciais e montar o plano de sua aplicação descentralizada junto ao setor cultural.

Esta comissão é formada por integrantes de diversos segmentos como Conselho Estadual de Política Cultural (Consec), Rede Estadual de Gestores Municipais de Cultura e Turismo, Rede Estadual dos Pontos de Cultura, Fórum Permanente de Cultura, Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), Associação Mineira de Municípios (AMM), Sesc em Minas, Sebrae em Minas Gerais e Tribunal de Contas do Estado (TCE).  Outra medida foi o apoio firmado entre a Secult e a Controladoria Geral do Estado (CGE) para garantir eficiência na aplicação de recursos da Lei em Minas. A Controladoria Geral do Estado (CGE) vai auxiliar nos processos de verificação, acompanhamento e controle, para melhor cumprimento do disposto na lei.  Mais detalhes sobre a atuação da Secult diante da Lei Aldir Blanc podem ser conferidos em: http://www.secult.mg.gov.br/leialdirblanc. 

 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários