Estado de Minas

Governador Romeu Zema recebe embaixador da Bélgica no Brasil

Visita de Patrick Herman marca os 100 anos da vinda da realeza belga a Minas Gerais e estreita laços culturais e econômicos do estado com o país europeu

02/10/2020 19h57
Por: Redação
Crédito (foto): Pedro Gontijo/Imprensa MG
Crédito (foto): Pedro Gontijo/Imprensa MG

 

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema, e o vice-governador, Paulo

Brant, receberam nesta sexta-feira (2/10), no Palácio da Liberdade, em

Belo Horizonte, o embaixador da Bélgica no Brasil, Patrick Herman. A

visita do diplomata marca os 100 anos da vinda da realeza belga à

capital mineira, feito que marcou época e consolidou as relações

culturais, políticas e econômicas do estado com a Bélgica.

 

"É uma grande satisfação recebê-los aqui nesta data tão simbólica,

cuja visita da realeza rendeu frutos que até hoje permanecem entre

nós. Foi uma visita extremamente profícua, porque, logo um ano após,

em 1921, devido à parceria estabelecida na visita, deu-se origem a uma

das nossas mais famosas empresas, a Belgo-Mineira, que hoje é a

ArcelorMittal. Queremos continuar aquilo que foi proposto naquele

momento: desenvolvimento, parceria, laços econômicos e de amizade",

afirmou o governador.

 

Minas Gerais é o terceiro estado do país em exportações para a

Bélgica, com negócios que somaram US$ 332 milhões no ano passado,

enviando para as terras belgas, principalmente, café, chá e minério.

 

Intercâmbio

 

Zema destacou que o intercâmbio entre os países é importante tanto na

atração de investimentos quanto na aplicação das políticas

públicas. O governador lembrou que, nos últimos anos, o Brasil tem

passado por reformas necessárias, que muitos outros países já

passaram, como a trabalhista e a da previdência.

 

"O que estamos fazendo em Minas Gerais é exatamente isso, precisamos

tirar as amarras que dificultam o empreendedor a trabalhar e

consequentemente o desenvolvimento, a geração de empregos e os

investimentos. O meu governo tem como foco fazer com que o estado seja

forte, mas naquilo que ele precisa, como Saúde, Educação e

Segurança", afirmou, ressaltando que o estado está aberto para que

novos investimentos belgas possam ser efetivados.

 

Cooperação

 

Segundo o embaixador da Bélgica no Brasil, Patrick Herman, a visita da

realeza belga a Minas Gerais e ao Brasil deixou a mensagem da

importância da cooperação e das relações multilaterais.

 

"Hoje, entre os diferentes continentes, a hora é de cooperação,

inovação, de relações multilaterais. A história que celebramos

nesta ocasião é uma ótima oportunidade para falarmos do futuro.

Sabemos que no Governo de Minas temos um parceiro econômico,

tecnológico e acadêmico com uma visão de futuro comum para a Europa,

Bélgica e o Brasil", afirmou Herman.

 

Ainda de acordo com o embaixador, a visita ao estado é uma ótima

oportunidade para a prospecção de novos negócios.

 

"Naturalmente, tentaremos atrair mais investimentos belgas aqui, no

âmbito das privatizações, das concessões, das PPPs. Esperamos que

empresas belgas estejam presentes nos leilões para ajudar na

renovação da economia pública e privada. Esperamos também poder

ajudar os empregadores mineiros para comercializar e vender os produtos

na Europa. A Bélgica é naturalmente o portão do grande continente

europeu para as empresas", concluiu o embaixador.

 

Simbolismo

 

O vice-governador Paulo Brant destacou o simbolismo da visita e a

importância da relação com aquele país, cuja capital Bruxelas abriga

a sede da União Europeia.

 

"A visita à época sacudiu Belo Horizonte, que era uma cidade pequena,

com apenas 23 anos de fundação. O que eu espero é que esta vinda

ilustre do embaixador represente o aprofundamento das relações

econômicas entre Minas Gerais e a Bélgica, país considerado o

coração da Europa", disse o vice-governador.

 

Também participaram da visita o cônsul-geral da Bélgica no Rio de

Janeiro, Daniel Dargent, o cônsul honorário da Bélgica em Belo

Horizonte, Henrique Rabelo, secretários de Estado e representantes de

várias áreas do Governo de Minas. Os visitantes puderam conhecer o

interior do Palácio da Liberdade, percorrendo os salões que abrigam

móveis e objetos adquiridos à época para hospedar os reis.

 

História

 

No dia 2 de outubro de 1920, Belo Horizonte recebia com euforia a

chegada do casal real, que, a convite do então governador Arthur

Bernardes, se hospedou no Palácio da Liberdade - que contou com a

utilização de diversos artefatos de ferro da Bélgica na sua

construção.

 

Várias características da Praça da Liberdade e do Palácio da

Liberdade são legados deixados pela visita. O Palácio, por exemplo,

ganhou nova mobília para receber os reis belgas. O quarto do

governador, que abrigou o casal, foi totalmente renovado à época,

recebendo artigos no estilo francês. Já a Praça da Liberdade foi

reformada, ganhando formato geométrico e retilíneo da arquitetura

francesa.

 

Já na parte econômica, um dos maiores legados foi a criação da

siderúrgica Belgo-Mineira, em 1921, hoje ArcelorMittal.

 

A comitiva real passou pelo Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, a

convite do então presidente da República, Epitácio Pessoa.

 

A vinda da realeza ao Brasil representou para a Bélgica a oportunidade

de prospectar negócios em meio à reconstrução pós-bélica,

reconhecendo o apoio brasileiro durante a 1ª Guerra Mundial (1914 a

1918). Para a República brasileira, receber o casal às vésperas de

completar o primeiro centenário da Independência, era a chance de

emitir sinal de estabilidade política, capaz de atrair novos

investimentos internacionais.

 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários