Geral

Dados comprovam falta de investimento nos parques tecnológicos brasileiros

A apresentação foi baseada nos dados do MCTI-InovaData-BR

07/10/2020 05h00
Por: Redação

A gestora do Parque Tecnológico de Uberaba, professora Raquel Resende avalia que o encontro é um passo importante para chamar a atenção do MEC para o apoio às universidades que estejam ligadas a parques tecnológicos, com rubricas específicas, além da necessidade de maior apoio institucional do governo federal.

Segundo Raquel, "os parques tecnológicos são geradores de inteligência, de riqueza, de negócios de alto valor agregado. Uma cidade que possua um em operação, como Uberaba, por exemplo, tem um tesouro nas mãos", destacou Raquel citando que "nesses locais se concentram todos os elementos de um ecossistema de tecnologia: empresas de base tecnológica ou intensivas em conhecimento, startups, incubadoras, hubs, universidades, etc".

Ainda segundo a executiva de inovação, muitos investimentos em empresas inovadoras vêm de organizações internacionais e uma cidade que possui um parque tecnológico em operação tem mais possibilidade de atrair empreendimentos assim.

A apresentação foi baseada nos dados do MCTI-InovaData-BR, uma plataforma de inteligência competitiva para integração, acompanhamento e desenvolvimento dos parques tecnológicos do Brasil e de suas empresas e organizações residentes nos complexos.

Reitores das universidades federais de Viçosa, do Triângulo Mineiro e do Instituto Federal do Triângulo Mineiro participaram da apresentação conduzida pela coordenadora do Núcleo de Tecnologia de Gestão da Universidade Federal de Viçosa (NTG/UFV), professora doutora Adriana Ferreira de Faria. "De acordo com os dados disponíveis, os parques tecnológicos em operação no Brasil abrigam mais de duas mil empresas, que faturam na ordem de R$ 4 bilhões/ano e empregam cerca de 40 mil pessoas. Mas, o mais importante, é que em sua maioria são parques jovens, com grande potencial de crescimento e impacto, se tivermos políticas assertivas de longo prazo. Os dados também nos indicam que a metade dos parques estão formalmente ligados às universidades, sobretudo as federais, ou localizados nas universidades", afirmou a professora Adriana, que, ainda, salientou que praticamente todos os parques em seus conselhos deliberativos têm a presença das universidades.

Uma das instituições de ensino e pesquisa presentes no Parque de Uberaba é o IFTM. A reitora professora doutora Deborah Santesso ressaltou que o Instituto tem papel muito importante para a sociedade e pode contribuir para a recuperação econômica do País. "O investimento em inovação e nos parques tecnológicos, em parceria com as instituições, representa uma possibilidade para prosperarmos enquanto nação empreendedora. Por isso, entendo ser extremamente importante o investimento no desenvolvimento de novas tecnologias, mas também nas políticas para o empreendedorismo social de forma a trabalharmos as transformações que tragam benefícios, inclusão e valor social", citou.

O reitor da UFTM, instituição presente no complexo, professor doutor Luiz Fernando dos Santos Anjo, reafirmou a importância do encontro. "Observamos que são estruturas que requerem tempo para se desenvolverem e se tornarem empreendimentos sólidos. Sempre fomentam desenvolvimento regional e os resultados costumam ser mais rápidos e eficazes quando há também envolvimento de empresas de referência. Foi uma oportunidade para afinar entendimentos quanto à importância de processos de inovação tecnológica atrelados ao desenvolvimento social", pontua.

 

 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários