Economia

PIX: saiba como funciona e conheça as vantagens deste novo sistema

Desenvolvida pelo Banco Central, modalidade deve tornar transferências e pagamentos mais rápidos e baratos

22/10/2020 05h00
Por: Redação

Uma nova modalidade de pagamentos e transferências financeiras

instantâneas, desenvolvida pelo Banco Central (BC), promete impulsionar

as vendas no varejo brasileiro, principalmente entre o público mais

jovem e conectado à internet. Trata-se do PIX, sistema cuja

implantação definitiva está prevista para o dia 16 de novembro. Em

seu primeiro dia de operação, mais de 3,5 milhões de pessoas fizeram

cadastro nessa modalidade, solicitando suas chaves digitais.

 

No novo sistema, as operações ocorrem em qualquer dia e horário,

inclusive fins de semana e feriados. O dinheiro leva, no máximo, 10

segundos para ser creditado. Além disso, com o PIX, as pessoas físicas

estão isentas cobrança de tarifas. A ideia do Banco Central é que a

modalidade seja uma alternativa a meios tradicionais, como o boleto

bancário, DOC (documento de ordem de crédito), transferência

eletrônica disponível (TED), cartão de débito e pagamento em

espécie.

 

O economista-chefe da Fecomércio MG, Guilherme Almeida, aponta uma

série de vantagens do PIX em relação aos demais sistemas de pagamento

e transferência. "A modalidade traz mais agilidade às transações e

reduz custos financeiros para os empresários. Além disso, a partir de

2021, ela permitirá aos consumidores que façam saques em lojas

físicas, gerando maior fluxo de valores, mais convivência e

competitividade às empresas", ressalta.

 

Descubra como funciona esse sistema e conheça outras vantagens ao

utilizá-lo:

 

O que é o PIX? É um novo meio de pagamento instantâneo criado pelo

Banco Central (BC) para ser uma opção aos boletos bancários, TED,

DOC, cartões de débitos e operações em espécie. "Com o PIX, pessoas

e empresas poderão fazer transações em menos de 10 segundos, usando

apenas aplicativos de celular", explica Almeida.

 

Quem irá operá-lo? O PIX foi desenvolvido pelo Banco Central para que

as instituições financeiras (bancos, fintechs, entre outras) do país

ofereçam essa modalidade às pessoas e empresas.

 

Como aderi-lo? O primeiro passo para utilizar o PIX é criar a chave

PIX. Para isso, a pessoa deve usar os canais de atendimento da

instituição financeira onde tem conta. A chave representa o endereço

da sua conta no PIX. Para criá-la, a pessoa ou empresa precisa usar uma

dessas quatro formas de identificação: CPF/CNPJ, e-mail, número de

telefone celular ou uma chave aleatória (senha). Essa chave- formada

por um conjunto de números, letras e símbolos gerados aleatoriamente -

é uma forma de receber um PIX sem informar dados pessoais.

 

Como funciona o PIX? Essa modalidade vai aparecer no aplicativo de

celular dos clientes de bancos, fintechs e outras empresas de pagamento.

Na hora de fechar uma transação, basta escolhê-la no aplicativo. "As

instituições financeiras também poderão oferecer o PIX como forma de

pagamento aos seus clientes por meio de um QR Code, dando ainda mais

agilidade às operações", ressalta o economista-chefe da Federação.

 

Quais as vantagens do PIX para o sistema bancário? Essa modalidade

estará disponível 24 horas por dia, todos os dias, inclusive nos

finais de semana. As transações serão concluídas em menos de 10

segundos. O PIX será gratuito para pessoas físicas e MEIs

(microempreendedores individuais). "Além disso, ele traz outras

vantagens indiretas, como a diminuição de filas em lojas, a redução

dos custos financeiros no varejo, a redução dos riscos associados à

circulação de moedas, além de ganhos de competitividade e

comodidade", lista Almeida.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
Uberabaonline1
Blogs e colunas
Últimas notícias
Mais lidas