Coluna

Lawrence Borges

Bastidores

01/12/2020 04h00
Por: Redação
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Foto: Mariana Dias/G1

Elisa Araújo, do Solidariedade, é eleita prefeita em Uberaba com 57,36% dos votos

 

PRIMEIRA PREFEITA

No ano de aniversário dos 200 anos de Uberaba, Elisa Araújo entra para história como a primeira mulher eleita a prefeita de Uberaba e irá governar a 8ª cidade mais populosa do Estado de Minas Gerais.

 

VITÓRIA

Elisa Araújo (SDD) foi eleita neste domingo (29) obtendo 57,36% (85.990 votos), derrotando o jornalista, ex-vereador e ex-deputado estadual Tony Carlos (PTB), que teve 63.932 votos (42,64%). Foram 3.473 votos brancos (2,15%) e 8.472 votos nulos (5,23%).

 

APOIO DO GOVERNADOR

De acordo com articuladores políticos o apoio do governador Romeu Zema (Novo) não foi decisivo e importante para sua eleição, mas o desejo da população na mudança. Entretanto, seu relacionamento com o governador Romeu Zema aumentará as expectativas de apoio ao município de Uberaba.

 

REMAKE

Segundo articulador político dos Democratas que contribuiu na campanha de Elisa Araújo (SDD), a eleição de Elisa tem muitos pontos coincidentes com a eleição de Luiz Guaritá Neto (DEM), idade, juventude, desejo de construir e fazer o novo pela cidade, rompendo o comando dos tradicionais.

 

INFLUENCIARÁ

Articulador político em conversa com a coluna BASTIDORES sustentou que Elisa Araújo (SDD) não sujeitará ou será submissa aos apoiadores da antiga política como Anderson Adauto, Ricardo Saud, Marcelo Palmério, Eduardo Palmério, deputado Zé Silva e Narcio Rodrigues.

 

SECRETÁRIOS DE ELISA ARAÚJO

Tão logo Elisa Araújo (SDD) foi declarada vitoriosa no segundo turno, nomes começaram a circular de possíveis secretários municipais, Agricultura – José Humberto Guimarães, Governo Otoniel Sobrinho, Comunicação Tharsis Bastos, Procuradoria Mauro Humberto, Controladoria Carlos Bracarense, Cohagra Samir Cecílio, Chefia de Gabinete Indiara Ferreira, Fundação Cultural Cassio Facure, Finanças Moacir Felix Sobrinho, Codau Eduardo Palmério, Obras Zé da Égua, Planejamento Karin Mauad, Meio Ambiente Frederico Misson e Educação Prof. José Vandir, contudo, sua assessoria de Elisa NEGOU a indicação dos referidos nomes.

 

DECEPÇÃO DE TONY

Articuladores políticos de Tony Carlos (PTB) sustentam que a eleição estava equilibrada, disputada voto a voto com Elisa Araújo (SDD), entretanto, o número de eleitores que não compareceram nas urnas nos bairros periféricos, prejudicou os votos de Tony Carlos.

 

EU VOLTEI

Com a eleição da deputada federal Margarida Salomão (PT) que obteve 102.489 (39,46%) em Juiz de Fora, o primeiro suplente Aelton Freitas (PL) assumirá em janeiro como deputado federal.

 

DECEPCIONADO COM UBERABA

De acordo com articulador político, o deputado Aelton Freitas (PL) não deverá abrir gabinete regional em Uberaba, devido a pouca votação obtida nas últimas eleições em Uberaba.

 

CENÁRIO 2022 PARA FEDERAL

Com o resultado das eleições municipais o cenário para deputado federal começa a ser desenhado, o PL terá Aelton Freitas, Franco Cartafina (PP) deverá trocar a legenda para o Podemos para tentar reeleger, Marcos Montes pelo PSD, Paulo Piau (MDB), Thiago Mariscal (PSC), além do atual Zé Silva (SDD) que colocará base eleitoral no município após a eleição de Elisa Araújo.

 

DEPUTADOS ESTADUAIS EM 2022

Já para deputados estaduais, comenta-se que Ismar Marão (PSD) será candidato e Heli Andrade irá pendurar a chuteira, Marcos Jammal (MDB), Tony Carlos (PTB), Lerin (PDT), Wagner Júnior (PROS), Kaká Carneiro (CID), Pastora Regiane Isidoro (PSB) e Eduardo Ferro (PL)

 

DIFICULDADES PARA 2021

A um mês de assumirem as novas gestões nas 853 cidades mineiras, prefeitos eleitos e reeleitos estão com muitos “abacaxis” nas mãos. Os reflexos de 2020, ano da pandemia do novo coronavírus, ainda serão evidentes e, para piorar, o fim de programas de transferência de renda para a população carente pode comprometer ainda mais o caixa praticamente vazio das administrações municipais, alertam especialistas.

 

DESEMPREGO EM 2021

O governo federal descarta, ao menos por hora, prorrogar o auxílio emergencial, que termina no próximo mês, às portas do período de pagamentos de impostos como o IPTU. Também é incerto o programa de manutenção de emprego. A estimativa é a de que, com o fim desses benefícios, suba para 25% a massa da população economicamente ativa desempregada. “Aí sim os municípios entrariam em uma crise real a partir de janeiro, com queda brusca na arrecadação”, ressalta o economista Igor Lucena, consultor para as Nações Unidas.

3comentários
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários