Quarta, 21 de Abril de 2021
(34) 99869-4433
Anúncio
Cidade Reflexão

Alguém quer saber como estão os professores e as professoras durante a pandemia?

Alguém

09/04/2021 03h00
Por: Euripedes Antonio Campos

Lara Marin

  

Apesar de ser considerada uma profissão importante e necessária, ser professor no Brasil significa falta de reconhecimento social, de autoridade profissional, e envolve lutar diariamente por melhores salários e condições de trabalho. Como se isso não bastasse, mais uma luta surge na pandemia: a por melhores condições sanitárias nas escolas e vacinas. 

Em meio ao abre e fecha das escolas durante o isolamento social, a vida desses profissionais alterou-se significativamente. Há quem diga que professores sofrem menos estresse por não estarem mais em sala de aula diariamente. No entanto, eles relatam que a adaptação do modo de trabalho e a insegurança sobre o retorno presencial nas escolas desprovidas de condições sanitárias adequadas fizeram com que o nível de estresse aumentasse.

Nas escolas públicas, há as que possuem alguma infraestrutura e organização para receber estudantes ou aquelas que mal têm sabão para lavar as mãos. Alguns governos locais se esforçam para conseguir mais recursos, outros desviam tais recursos ou apenas investem em propagandas enganosas do que as escolas – na realidade – não recebem para tentar justificar sua abertura em meio ao caos administrativo e econômico em que vivemos.

Nas escolas privadas, famílias com condições de manter seus filhos em casa, preservando suas vidas e de toda a comunidade, se organizam – em meio a viagens internacionais e fins de semana na fazenda – com eventos, carreatas e camisetas, movimentando seu poder social, político, econômico e marqueteiro para que as escolas abram, justificando o pagamento de mensalidades exorbitantes. "Tô pagando, quero o serviço completo." 

Enquanto isso, professores seguem roucos ao reafirmar que educação não é mercadoria, como dizia Paulo Freire, e esgotados de tanto repetir o básico com relação à falta de segurança sanitária nas escolas e de lutar por suas vidas, vacinas e melhores condições de trabalho. Mesmo dentro de casa, pois a internet, a adaptação de materiais e a preocupação com o acesso dos estudantes nas aulas virtuais está nos seus colos. 

Toda essa carga mental e essa responsabilidade permeiam suas demandas diárias de trabalho e são caladas e minimizadas quando o assunto é o retorno às aulas presenciais. Se professores decidem se colocar nessa pauta que lhes é de extrema relevância, e onde deveriam ter alguma autoridade e voz em tais decisões, são rapidamente excluídos e tachados de preguiçosos, por quererem se preservar dentro de suas casas.

Essa é uma categoria que não se conforma em ser vista como tão importante na Educação ao mesmo tempo em que é desvalorizada e desqualificada por governos e sociedade. Esses profissionais também sofrem com as adaptações e os dramas que o distanciamento social nos impôs. Mas não aceitam que brinquem com suas vidas e corram o risco de adoecer gravemente por uma falta de seriedade e organização no combate à pandemia. Querem respeito. Querem vacina.

 

Lara Marin é autora do livro "A Cultura nos Livros Didáticos" (Editora Appris), mestre em Estudos Culturais pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP; além de sua atuação como pesquisadora, é autora de projetos e materiais didáticos desde 2008

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias