Quarta, 12 de Maio de 2021
(34) 99869-4433
Cidade Bastidores

PROJETO PÓS OCUPAÇÃO

PROJETO

14/04/2021 03h00
Por: Euripedes Antonio Campos
Projeto Técnico Social iniciará no bairro Girassóis III
Projeto Técnico Social iniciará no bairro Girassóis III

PROJETO PÓS OCUPAÇÃO

 

A empresa contratada pelo município de Uberaba realizou visita a moradores do bairro Girassóis III para realizar os primeiros levantamentos. De acordo com a coordenação da empresa, está se adequando o cronograma de execução das atividades e iniciará com a realização de um diagnóstico do bairro.

 

RESPONSABILIDADE DA CONSTRUTORA

Os moradores do bairro Girassóis III estão queixando dos buracos nas vias públicas do bairro, contudo, a responsabilidade é da construtora em realizar a manutenção das vias até ser entregue à municipalidade.

 

GIRASSÓIS IV

A COLUNA BASTIDORES visitou as obras do Girassóis IV acompanhado do engenheiro Rodrigo Barcelos da Construtora EF, onde foi informado que parte das moradias serão entregues no final de julho deste ano.

 

AUMENTO DA COBERTURA

O Ministério das Comunicações simplificou as regras para o aumento da cobertura de rádios FM no país. Agora, elas poderão solicitar aumento de potência e de área de cobertura a qualquer momento para o ministério. Antes, essa mudança só poderia ser feita a cada dois anos. A medida foi publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (13).

 

MAIS COVID

Minas Gerais registrou nessa terça-feira (13) novos 7.313 casos e 62 mortes pela covid-19, conforme divulgado pelo boletim epidemiológico da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG). Desde o início da pandemia, 28.152 mineiros perderam suas vidas pela doença.

 

MAGOADO

Kajuru diz que rompeu a relação com Bolsonaro: “Nunca mais falo com ele”. A reação de Kajuru aconteceu um dia depois de o presidente criticá-lo por ter divulgado o áudio de uma conversa entre eles por telefone.

 

DEU CUMPRIMENTO A ORDEM

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), iniciou a leitura do requerimento de instalação de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar irregularidades no combate à pandemia da covid-19.

 

BRIGA PELOS CARGOS

Líderes de partidos no Senado se movimentam para garantir os principais cargos da “CPI da Covid”. A presidência do grupo, que coordena as reuniões, e a relatoria, responsável por consolidar em um parecer a conclusão dos trabalhos do colegiado, são os postos mais importantes. O PSDB, que faz parte do segundo maior bloco da Casa, com Podemos e PSL, quer que o senador Tasso Jereissati (CE) seja presidente da comissão. O MDB, que integra o maior bloco, com Progressistas e Republicanos, está de olho na relatoria da CPI. O indicado deve ser o líder da Maioria e ex-presidente do Senado Renan Calheiros (MDB-AL). O líder do MDB na Casa, Eduardo Braga (AM), e o senador Ciro Nogueira (Progressistas-PI) também farão parte da comissão.

 

EXPLICAÇÃO

O ministro Marco Aurélio Mello, decano do Supremo Tribunal Federal (STF), deu 15 dias para que o presidente Jair Bolsonaro envie, caso queira, explicações sobre uma declaração dada em março, quando defendeu o uso das Forças Armadas para a manutenção da liberdade na pandemia.

 

QUEIXA CRIME CONTRA BOLSONARO

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), pediu que seja levado ao plenário da Corte uma queixa-crime contra o presidente Jair Bolsonaro pela acusação de genocídio dos povos indígenas durante a pandemia da covid-19. Os ministros devem avaliar se a Procuradoria-Geral da República (PGR) abre inquérito para investigar o caso.

 

BOLSONARO DEU GARGALHADA

O presidente Jair Bolsonaro soltou uma gargalhada ao ouvir de um apoiador, ontem, que o ministro Kassio Nunes Marques, do Supremo Tribunal Federal (STF), foi sorteado relator do pedido de impeachment contra o também ministro da Corte Alexandre de Moraes. Nunes Marques foi o primeiro magistrado indicado pelo presidente para ocupar uma cadeira no STF

 

DESVIO DE R$ 855MILHÕES

A Polícia Civil indiciou na segunda-feira (12) o ex-secretário de Fazenda da gestão Pimentel, José Afonso Bicalho, e o subsecretário do Tesouro Estadual na gestão petista, Paulo Duarte. Eles são suspeitos de desviarem R$ 855 milhões em empréstimos consignados dos servidores estaduais e pensionistas entre junho de 2017 e setembro de 2018. Ambos foram indiciados pelo crime de peculato. Bicalho já havia sido indiciado em maio de 2020 junto com o ex-governador Fernando Pimentel (PT) em um outro inquérito sobre o caso, realizado pelo Departamento de Combate à Corrupção e Fraudes. Pimentel não foi indiciado nessa segunda-feira (12).

 

PIMENTEL NÃO TEVE CULPA

Um novo inquérito realizado pela Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) e divulgado nessa segunda-feira (12) concluiu que o ex-governador Fernando Pimentel (PT) não deve ser responsabilizado pelo desvio de R$ 855 milhões em empréstimos consignados dos servidores estaduais e pensionistas durante seu governo, entre junho de 2017 e setembro de 2018. “Uma vez identificada a obrigação pela gestão da folha de pagamento, uma vez colhidos os depoimentos dos suspeitos, nós não identificamos que o então governador do Estado na oportunidade tivesse conhecimento real e inequívoco da situação fática tratada”, explicou o delegado.

 

CONTRADIÇÃO

A conclusão de que o ex-governador não foi responsável pelo desvio contrasta com um outro inquérito realizado pelo Departamento de Combate à Corrupção e Fraudes da Polícia Civil, que foi concluído em maio de 2020. Em entrevista coletiva à época, o delegado Gabriel Ciríaco Fonseca indiciou Pimentel por peculato e também por assumir obrigações financeiras sem ter condição de arcar com as despesas, uma infração administrativa. Este indiciamento se mantém. Caberá agora ao Ministério Público reunir os dois inquéritos realizados pela Polícia Civil sobre o desvio dos recursos dos empréstimos consignados e decidir se vai processar ou não os responsáveis pelo caso, inclusive definindo se inclui Pimentel na ação.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias