Quarta, 12 de Maio de 2021
(34) 99869-4433
Cidade Cidade

Carne sobe até 14,7% desde janeiro em Minas Gerais e economista alerta: 'Vai piorar'

Carne sobe até 14,7%

04/05/2021 03h00
Por: Euripedes Antonio Campos
Sem dinheiro para os cortes tradicionais de carne, o consumidor tem recorrido a opções como carcaça de frango (foto: Pixabay)
Sem dinheiro para os cortes tradicionais de carne, o consumidor tem recorrido a opções como carcaça de frango (foto: Pixabay)

Prato tradicional da culinária mineira, a canjiquinha com costelinha está mais salgada neste inverno. O preço da costelinha de porco – protagonista da iguaria – subiu 14,54% nos açougues de Minas Gerais entre janeiro e abril deste ano.

A constatação é de um levantamento realizado pelo site Mercado Mineiro em parceria com o aplicativo Com Oferta. 

Divulgada nesta segunda-feira (3/5), a pesquisa tomou preços de 38 estabelecimentos de 28 a 30 de abril. Nos últimos quatro meses, o preço médio do quilo da costelinha subiu de R$ 21,16 para R$ 24,24. 

Má notícia também para os amantes da feijoada: os pertences do feijão preto também aumentaram. É o caso do pezinho suíno, que foi de R$ 10,81 para R$ 12,29 o quilo (alta de 13,68%); do toucinho, que variou R$ 10,60 para R$ 11,58 (diferença de 9,20%); e do pernil com osso, que custava R$ 17,18 e agora é vendido a R$ 18,09 (escalada de 5,29%). 

O churrasco está longe de ser a opção mais viável, já que a carne bovina, além de mais cara, não escapou dos aumentos neste primeiro quadrimestre. O valor médio da maminha aumentou de R$ 38,73 para R$ 41,37, isto é, 6.82%.

O patinho passou de R$ 35,97 para R$ 37,80, elevação de 5,08%. O lagarto é encontrado a R$ 37,87, encarecimento de 5%. Quem opta pelas peças para cozinhar vai se assustar com o custo do quilo do acém: R$ 31,24, contra R$ 29,60 em janeiro, alta de 5,53%.

O frango, como de costume, é a alternativa mais em conta, embora tenha sofrido reajustes. O peito resfriado custa, em média, R$ 10,56, variação de 5,72%. Já o quilo da coxa e sobrecoxa foi de R$ 10,25 para R$ 10,74, alta de 4.76%.

 “Vai piorar”, diz economista sobre o preço da carne

Segundo o diretor do site Mercado Mineiro, Feliciano Abreu, não há perspectiva de alívio para o bolso do consumidor no mercado de proteína animal, que acumula altas desde março de 2020.

O economista explica que as carnes – sobretudo a suína – são fortemente pressionadas pela valorização do dólar, vendido a R$ 5,41 nesta segunda-feira (3/5), e pelo aumento das exportações para a China. 

Dados da Comex Stat, sistema de monitoramento do Ministério da Economia, mostram que o país asiático foi o principal comprador de proteínas brasileiras em 2020.

Os chineses adquiriram 55% da produção brasileira de porco, 50% das peças de boi, além de 17% das aves.

Variação de preços nos açougues chega a 102%

Mesmo para quem está com as finanças equilibradas, a recomendação é pesquisar, pois a variação de preços nos açougues chega a 102%. É o caso da picanha, que pode custar de R$ 37,99 até R$ 76,90 por quilo, dependendo do estabelecimento. 

Vendido de R$ 39,99 até R$ 76,90 o filé mignon oscila 92%. O quilo da chã de fora vai de R$ 29,99 a R$ 54, variação de 80%. Já a fraldinha oscila 72% – de R$ 28,99 até R$ 49,90.

 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias