Segunda, 21 de Junho de 2021
(34) 99869-4433
Cidade Cidade

Trabalhadores da UFTM entram em greve

Trabalhadores da UFTM

14/05/2021 03h00
Por: Euripedes Antonio Campos
Trabalhadores da UFTM entram em greve

Profissionais da Ebserh, Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, incluindo os das cidades de BH, Uberlândia, Uberaba e Juiz de Fora, iniciaram paralisação nesta quinta-feira

 

Trabalhadores vinculados à Ebserh, Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, como enfermeiros e técnicos de enfermagem, decidiram entrar em greve a partir desta quinta-feira (13) em Minas Gerais (nas cidades de Belo Horizonte, Juiz de Fora, Uberaba e Uberlândia). A paralisação segue o calendário nacional.

A categoria realizou plenária nacional no último dia 27, quando a medida foi anunciada e reafirmada em assembleia no Estado entre os dias 6 e 7 de maio. De acordo com os representantes, "a decisão foi tomada tendo em vista o impasse nas negociações do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) da categoria que se arrasta há mais de um ano, sem qualquer perspectiva de avanço. Mesmo o ACT tendo sido enviado a dissídio e, atualmente, estar sendo mediado pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST), a Ebserh segue desrespeitando seus (as) trabalhadores (as) das mais diversas formas e se utiliza de várias justificativas para travar as negociações com os trabalhadores", informaram. 

 

Segundo eles, a empresa propõe 0% de reajuste, mas o ponto mais polêmico é a proposta de mudança na base de cálculo do adicional de insalubridade, o que, segundo o sindicato, pode representar uma redução de até 27% na remuneração. "Querem que o cálculo, hoje feito em cima do salário-base, passe a ser feito em cima do salário mínimo, o que na prática vai implicar em redução da remuneração", explica Jussara Griffo, representante do Sindicato dos Trabalhadores Ativos, Aposentados e Pensionistas dos Servidores Públicos Federais de Minas Gerais (SINDSEP-MG).

Segundo o órgão, em Minas Gerais, cerca de 5 mil funcionários dos hospitais vinculados às universidades federais nessas cidades (UFJF, UFMG, UFU e UFTM) aderiram à greve. Só em Belo Horizonte, são 2 mil funcionários no Hospital das Clínicas. No entanto, os serviços não estão paralisados. "Estamos trabalhando com, em média, 30% dos funcionários. Não podemos fechar o hospital, ainda mais nesse momento. Há setores em que temos mais funcionários grevistas atuando, como oncologia, hemodiálise", explica Jussara. "Temos preocupação com o atendimento à sociedade. Então é uam greve bem tranquila, para não ter descontinuidade no atendimento, mesmo sabendo que prejudica um pouco", completa. 

A Ebserh também informou que o funcionamento estava normal nos hospitais na manhã desta quinta-feira (13).

Nessa quarta-feira (12), o Tribunal Superior do Trabalho (TST) convocou uma reunião de mediação. Na ocasião, a Ebserh, segundo os grevistas, teria enviado propostas em que há alteração do indexador do cálculo de insalubridade dos trabalhadores. Com isso, as entidades representativas dos empregados disseram não ter autorização para negociar. "Estamos aguardando para sair alguma decisão. Esperamos que seja o mais rápido possível", diz Jussara. 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias